20 dezembro 2016

Graças a Rogue One, Disney se torna o primeiro estúdio a arrecadar mais de US$ 7 bilhões em um único ano

Faltando pouco mais de 10 dias para o final de 2016, a Disney conseguiu fazer deste ano o mais rentável de sua história. A companhia quebrou todos os recordes e estabeleceu uma nova marca a ser batida ao arrecadar US$ 7 bilhões nas bilheterias mundiais.
A meta foi atingida graças ao desempenho fenomenal de Rogue One: Uma História Star Wars, que estreou no último final de semana e já arrecadou impressionantes US$ 290 milhões e deve dominar as salas de cinema durante as festas de final de ano.
Até ser superado, o estúdio que detinha o recorde de arrecadação anual nas bilheterias era a Universal Pictures, que terminou 2015 com uma arrecadação total nas bilheterias globais de US$ 6.89 bilhões, depois de lançar produções como Velozes & Furiosos 7, Cinquenta Tons de Cinza e Jurassic World - O Mundo dos Dinossauros.
Em 2016, a Disney se tornou o estúdio cinematográfico que mais rápido arrecadou US$ 2 bilhões nos Estados Unidos, US$ 3 bilhões em territórios internacionais e US$ 5 bilhões globalmente.
O sucesso financeiro da The Walt Disney Company foi alcançado graças a produções de suas subsidiárias, incluindo aí a Marvel Studios, Lucasfilm, Pixar Animation Studios, além, é claro da Walt Disney Studios e Walt Disney Animation Studios.
Filmes como Procurando Dory, Capitão América: Guerra Civil e Zootopia - Essa Cidade é o Bicho conseguiram, sozinhos, arrecadar mais de US$ 1 bilhão - Mogli - O Menino Lobo chegou perto, com US$ 966 milhões arrecadados. Houve ainda alguns fracassos de crítica e público, como Alice Através do Espelho (arrecadou US$ 299 milhões) e O Bom Gigante Amigo (US$ 178 milhões).
"Esta conquista histórica é possível porque nossos estúdios estão oferecendo o melhor que há, contando grandes histórias de todo tipo que impactam públicos de todos os países, gêneros e gerações", afirmou Alan Horn, presidente da Walt Disney Studios, em um comunicado.
Imagem relacionada
Conteúdo criado por AdoroCinema

18 dezembro 2016

O manequim de uma mulher congelada que enganou a polícia de Nova York

Tudo começou na última sexta-feira quando uma pessoa, que foi descrita como "alterada", ligou para a polícia do Estado de Nova York para informar que "uma mulher havia morrido congelada" em um carro estacionado na cidade de Hudson.
De acordo com a mídia local, quando os policiais chegaram ao lugar indicado na ligação encontraram "uma pessoa imóvel" no banco do passageiro, usando cinto de segurança.
A "mulher" era idosa e usava uma máscara de oxigênio no rosto.
O carro estava coberto de neve, o que sugeria que ele havia permanecido na rua durante a noite sob temperaturas de cerca de -13ºC.
Mas, quando a polícia entrou no veículo para resgatar a mulher, descobriu que se tratava de um manequim.

Realista
Os oficiais afirmaram que era um manequim "extremamente realista". Usava roupas, óculos e sapatos reais, tinha dentes e manchas na pele.
Quando o dono do objeto foi encontrado, disse que ele fazia parte de seu equipamento de treinamento de primeiros socorros.
O proprietário do boneco também reclamou das ações da polícia, que quebrou o vidro de seu carro na operação de resgate.
"Ficamos sabendo que o dono não conseguia acreditar nas ações que a polícia tomou neste caso", disse o chefe de polícia L. Edward Moore em um comunicado.
"Aparentemente, ele falou de maneira muito forte e vulgar com o meu sargento."
Moore também mandou uma mensagem para os donos de manequins em toda a cidade:
"Só para esclarecer algo que todos os cidadãos de Hudson devem saber. Se você parar seu carro trancado na rua em uma noite de temperatura abaixo de zero com um manequim realista sentado dentro dele... nós vamos quebrar seu vidro."
O manequim usava roupas, sapatos e óculos reais, tinha dentes e manchas no rosto, representando uma senhora (Foto: Departamento de Polícia de Hudson)
Fonte: G1

Itaipu desbanca 'Três Gargantas' e é líder mundial na produção de energia

A hidrelétrica de Itaipu, compartilhada por Paraguai e Brasil, alcançou aos dez primeiros minutos deste sábado (17) a produção de 98.800.319 milhões de megawatts-hora, superando a própria marca de produção anual de energia, e desbancou o recorde mundial obtidos pela usina de Três Gargantas, na China.
A marca foi alcançada 13 horas depois que a Itaipu superou seu recorde de 98,6 milhões de megawatts-hora, registrado em 2013. Desde a entrada em operação de sua primeira unidade geradora, em maio de 1984, Itaipu já produziu mais de 2,4 bilhões de megawatts-hora, energia suficiente para atender a demanda do mundo inteiro por 40 dias, conforme informou a usina.
A previsão é que Itaipu supere na próxima quarta-feira (21) os 100 milhões de megawatts-hora produzidos em um ano, um número sem precedentes, de acordo com a empresa.
Para refletir o impacto da produção, a usina afirmou que os 98,6 milhões de megawatts-hora seriam suficientes para abastecer o consumo do Brasil durante dois meses e 15 dias. E o Paraguai ao longo de quase sete anos.
A Itaipu Binacional foi criada há 42 anos para administrar a construção da usina e colocá-la em funcionamento em 1984. A usina possui 14 mil megawatts de potência instalada, o que atende a 17% da demanda energética do Brasil e 75% do Paraguai.
Resultado de imagem para Itaipu
Vertedouro de Itaipu aberto. (Foto: Divulgação/Itaipu Binacional)
Fonte: G1

Começa na China construção de réplica do Titanic em tamanho real

Uma réplica em tamanho real do Titanic, o transatlântico que naufragou em 1912 causando a morte de mais de 1.500 pessoas, começou a ser construído na província central de Sichuan, na China, onde seus promotores esperam que se transforme em um atrativo turístico, informou nesta quinta-feira (1º) a imprensa local.
O navio, com os mesmos 270 metros de comprimento e 28 de largura que o original, será colocado em um reservatório da cidade de Daying, onde permanecerá atracado permanentemente, e fará parte do resort turístico de luxo Seven Star International, destacou a agência oficial "Xinhua".
Construção da réplica do Titanic em Daying, província de Sichuan. (Foto: Reuters)

A construtora da embarcação, Wuchang Shipbuilding Industry Corporation, prometeu que o navio será fiel ao projeto do Titanic original e contará como este com sala de festas, teatro, piscina e quartos de primeira classe, nos quais se tentará recriar o estilo de vida dos passageiros da época.
Quando as obras do novo navio terminarem, algo que se prevê em meados de 2019, os promotores da obra farão em seu interior festas de época e banquetes, nos quais o menu deve ser muito similar ao servido no Titanic em 1912, embora como concessão à modernidade a embarcação contará com conexão wifi.
A obra, que contou com a assessoria de projetistas britânicos e americanos, custará 1 bilhão de iuanes (US$ 145 milhões).
Construção da réplica do Titanic. (Foto: Reuters)

O jornal "South China Morning Post" antecipou, além disso, que os turistas que visitam o novo navio poderão participar de simulações que através de novas tecnologias vão lhes permitir "experimentar um pouco do horror" que os viajantes viveram naquela noite do dia 14 de abril de 1912, na qual o Titanic afundou após se chocar com um iceberg no Atlântico norte.
Uma noite nos quartos mais baratos do novo navio custará ao redor de 3.000 iuanes (cerca de US$ 430), enquanto para pernoitar nos camarotes mais luxuosos o hóspede terá que pagar centenas de milhares de iuanes (dezenas de milhares de dólares), anunciou o jornal de Hong Kong.
A história do Titanic é muito popular na China, especialmente por causa do sucesso que o filme homônimo de James Cameron teve entre os espectadores chineses, sobretudo por sua versão remasterizada em 3D, que estreou em 2012 - no centenário do naufrágio - e que teve uma bilheteria tão grande no gigante asiático quanto nos EUA.
Essa popularidade encorajou a construção da réplica, embora o projeto, que a princípio ia começar em 2013, atrasou alguns anos, por razões não reveladas.
Fonte: G1

15 dezembro 2016

Aranha é batizada em homenagem a personagem de 'Harry Potter'

Cientistas indianos descobriram uma nova espécie de aranha que se parece "estranhamente" com o Chapéu Seletor da série Harry Potter e deram a ela o nome de seu dono, Godric Gryffindor, informaram nesta quinta-feira (15).
Os cientistas, fãs ardorosos do pequeno bruxo, se depararam com a aranha de sete milímetros em outubro do ano passado na exuberante cordilheira dos Gates Ocidentais, no sudoeste da Índia.
"Meus colegas e eu somos geeks e todos nós pensamos 'Ei, essa aranha curiosa se parece exatamente com o Chapéu Seletor'. Era estranhamente similar", declarou o cientista Javed Ahmed à AFP.
"Então fizemos um pacto de que, se fosse uma nova espécie, iríamos nomeá-la em homenagem ao Chapéu Seletor", acrescentou, referindo-se ao chapéu mágico que distribui os alunos nas diferentes casas da Escola de Magia e Feitiçaria de Hogwarts na famosa saga.
Cientistas acharam nova espécie parecida com Chapeu Seletor, da saga Harry Potter (Foto: SUMUKHA J.N / AFP)
Em junho, Ahmed, que vive em Mumbai, e seus colegas cientistas estavam 100% certos de que ela era uma espécie nova, então foram em frente e nomearam esta aranha pontiaguda e de hábitos noturnos de Eriovixia gryffindori.
Uma análise feita por especialistas confirmou que a aranha, que imita a forma de folhas para evitar predadores, era, de fato, uma espécie recém encontrada.

J.K. Rowling se disse honrada
A descoberta foi publicada no Indian Journal of Arachnology de dezembro e provocou uma onda de empolgação nas mídias sociais, levando inclusive a autora de Harry Potter, J. K. Rowling, a expressar sua alegria pelo Twitter.
"Estou realmente honrada! Parabéns por descobrir outro #AnimalFantástico!", tuitou Rowling para Ahmed.
Chapeu Seletor, em imagem de um dos filmes de Harry Potter (Foto: Reprodução)
"Quantos geeks têm a oportunidade de descrever uma espécie, e muito menos nomeá-la, em homenagem a um ícone da cultura pop e, em seguida, ver a criadora deste ícone tuitando para você e dizendo que estava feliz e honrada? Fiquei tão empolgado!", disse Javed.
A descoberta foi feita após o lançamento recente do filme "Animais Fantásticos e Onde Habitam", um spin-off de Harry Potter baseado em um livro que Rowling escreveu em 2001.
A aranha de Gryffindor não é a primeira espécie a ser nomeada em homenagem a um ícone popular, de ficção ou real. Em 2009, uma aranha amarela descoberta na Malásia foi nomeada em homenagem ao astro do rock David Bowie.
Três anos mais tarde, cientistas australianos nomearam uma mosca de "Beyonce", e no mesmo ano cientistas nomearam uma tarântula que encontraram em Folsom, na Califórnia, em homenagem a Johnny Cash, a lenda da música americana que cantou "Folsom Prison Blues".
Fonte: G1
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...