29 novembro 2013

Um mundo diferente

"Meu maior medo é viver sozinho e não ter fé para receber um mundo diferente e não ter paz para se despedir. Meu maior medo é almoçar sozinho, jantar sozinho e me esforçar em me manter ocupado para não provocar compaixão dos garçons. Meu maior medo é ajudar as pessoas porque não sei me ajudar. Meu maior medo é desperdiçar espaço em uma cama de casal, sem acordar durante a chuva mais revolta, sem adormecer diante da chuva mais branda. Meu maior medo é a necessidade de ligar a tevê enquanto tomo banho. Meu maior medo é conversar com o rádio em engarrafamento. Meu maior medo é enfrentar um final de semana sozinho depois de ouvir os programas de meus colegas de trabalho. Meu maior medo é a segunda-feira e me calar para não parecer estranho e anti-social. Meu maior medo é escavar a noite para encontrar um par e voltar mais solteiro do que antes. Meu maior medo é não conseguir acabar uma cerveja sozinho. Meu maior medo é a indecisão ao escolher um presente para mim. Meu maior medo é a expectativa de dar certo na família, que não me deixa ao menos dar errado. Meu maior medo é escutar uma música, entender a letra e faltar uma companhia para concordar comigo."
Fabrício Carpinejar.

Vocalista de uma banda admite ter tentado estuprar um bebê

Ian Watkins, ex-vocalista da banda galesa Lostprophets, se declarou nesta terça-feira (26) culpado em um tribunal de Cardiff, no Reino Unido, de tentar estuprar um bebê de um ano e de outras dez acusações de abusos sexuais.
Watkins, de 36 anos, tinha negado até agora todas as acusações e variou sua declaração antes de começar o julgamento, depois que a acusação aceitou mudar duas acusações de estupro pelas de tentativa de estupro.
foto-ian-watkins-lostprophets-viuaki
O ex-líder da banda de metal, preso em dezembro de 2012, reconheceu ter abusado de um bebê de um ano, encorajando um fã do grupo a abusar de seu próprio filho durante uma conversa pela “webcam”, e admitiu estar em posse de e ter gravado pornografia infantil.
A prisão de Watkins aconteceu poucos meses depois da publicação de “Weapons”, quinto e último disco da banda formada em 1997, que em outubro deste ano anunciou sua dissolução.
Além das duas tentativas de estupro, o cantor admitiu três acusações de agressão sexual a menores; seis relacionadas à posse e criação de imagens sexuais de menores; e uma por “pornografia extrema”.
A acusação relatou ao tribunal que Watkins filmou e conservou as imagens dos abusos que cometeu em diversos hotéis de Londres e no sul de Gales.
Junto ao antigo líder da Lostprophets, compareceram ao tribunal duas mulheres, cujas identidades não foram divulgadas, que admitiram acusações de tentativa de estupro de um menor e conspiração para estuprar um menor. 
Um clipe da banda do sujeito (FDP!)

Adolescente com tumor no rosto se defende de bullying e consegue fazer cirurgia

A família da adolescente canadense Sarah Atwell, de 17 anos, descobriu quando ela tinha apenas 8 meses de idade que a menina tem neurofibromastose, tendência a desenvolver tumores que, nela, tomaram conta de metade de seu rosto. Apesar de serem benignos, seus efeitos foram terríveis: Sarah foi vítima de bullying a vida inteira, tendo que conviver com apelidos como “cara gorda” na escola. Depois de se defender publicamente das agressões, ela acabou conseguindo fazer uma cirurgia que mudou sua vida.
A menina tinha que conviver com apelidos como
O programa ofereceu uma nova cirurgia a Sarah
No ano passado, Sarah decidiu fazer um vídeo no Facebook explicando mais sobre sua doença e sobre como o bullying lhe fazia mal. “Eu tenho um tumor, é só isso... E as pessoas não entendem”, escreveu a menina em uma placa. Como o vídeo teve grande repercussão, uma equipe do canal de televisão Discovery Health and Fit encontrou Sarah para fazer um programa especial, em que ela fizesse mais uma cirurgia para tentar retirar o tumor — ela já havia feito oito operações.
O programa “Girl with half a face” (algo como “Menina com metade do rosto”) vai ao ar em dezembro e o canal tem feito grande divulgação. Uma das dificuldades da produção foi encontrar um médico que aceitasse operar o tumor, que é muito delicado.
A emissora americana ABC News conseguiu falar com Sarah, e ela contou que a cirurgia foi bem sucedida. “É muito legal. Eu tenho certeza de que a maior parte (do tumor) saiu, fora um pouquinho perto dos olhos. O médico disse que não tem certeza se voltará ou não”, conta. A adolescente, que sonha em ser professora, também deu um recado às vítimas de bullying: “Sejam fortes e não deixem essas coisas afetarem vocês. Saiam de perto e não deixem eles te incomodarem”.
É possível ver um vídeo de divulgação do programa no site da emissora.
Sarah já passou por mais de oito cirurgias
O vídeo que ela gravou:
O vídeo que ela gravou: "Eu tenho um tumor, é só isso... E as pessoas não entendem" Foto: Divulgação/Discovery Fit and Health

Foto de píton que engoliu bêbado na Índia engana milhares na web

Editora Globo
A píton da foto acima engoliu um rapaz bêbado na Índia. Só que não. 
A imagem foi compartilhada milhares de vezes nas redes sociais nos últimos dias, mas ganhou versões diferentes e acabou confundindo os internautas. 
A mesma foto apareceu em sites chineses, que divulgaram que o animal havia comido o corpo de um rapaz abandonado em uma estrada após enchentes em Jacarta, na Indonésia. 
Uma mulher em Durban, na África do Sul, foi engolida pela mesma cobra. Outras páginas afirmaram ainda que a píton não comeu uma pessoa, mas sim um veado adulto. 
Apesar da confusão, a imagem segue circulando na web e gerando milhares de comentários de internautas interessados em diversão e em descobrir, de fato, o foi que a píton fotografada engoliu.
Editora Globo

28 novembro 2013

É loucura odiar

"É loucura odiar todas as rosas porque uma te espetou. Entregar todos os teus sonhos porque um deles não se realizou, perder a fé em todas as orações porque em uma não foi atendido, desistir de todos os esforços porque um deles fracassou. É loucura condenar todas as amizades porque uma te traiu, descrer de todo amor porque um deles foi infiel. É loucura jogar fora todas as chances de ser feliz porque uma tentativa não deu certo. Espero que na tua caminhada não cometa essas loucuras. Lembrando que sempre há uma outra chance, uma outra amizade, um outro amor, uma nova força. Para todo fim um recomeço."
O Pequeno Príncipe 

Mãe não deixa mais só filha que teve fotos íntimas postadas: 'Dá medo'

A mãe da menina de 11 anos que teve fotos íntimas divulgadas na internet afirma que está apreensiva com a liberdade do suspeito de divulgar as imagens, em Rio Verde, no sudoeste goiano. O estudante de direito, de 20 anos, saiu do presídio após pagar fiança de R$ 6 mil. “A gente nunca deixa ela sozinha, a gente praticamente não sai de casa. Eu acredito que ele sabe onde a gente mora e isso dá mais medo”, disse a mulher, que não quis se identificar.
A mãe teme que o jovem machuque a filha: “Eu tenho medo de que ele fique com raiva e queira fazer algo contra ela. Ela não tem culpa de nada. Eu e o pai dela que tivemos coragem de denunciar”. Para a mulher, apesar da exposição da filha, ele também ficou mal na história. “Ele pode até ser bonito, mas agora ele ficou feio, muito feio com essa história. Ele ficou até mais exposto que ela”, disse.
Mãe de menina que teve fotos íntimas divulgadas, em Rio Verde, Goiás (Foto: Reprodução/ TV Anhanguera)
Segundo a mãe, a filha está sem qualquer contato nas redes sociais. “Ela saiu do Facebook, que foi onde conheceu ele. Ela está sem acesso a nada”. A mulher conta ainda que a filha precisou mudar radicalmente sua rotina em virtude do que ocorreu: "Ela teve que mudar de escola, de deixar vários cursos que ela fazia, como teatro, designer, aula de dança, inglês”. A mãe ressalta que a menina não fica só nem na escola: “sempre tem alguém do lado”.
A advogada do suspeito, Renata Weirig, afirma que a vida do estudante também mudou completamente. “Ele perdeu o emprego. Está super abatido, com muitos problemas na vida pessoal”, disse Weirig ao G1.
A defesa nega que ele tenha divulgado as fotos. “Tem muitas coisas que estão caindo em cima dele que não são verdadeiras. Tem muito exagero, tem gente imputando práticas que ele não cometeu. Tem muita gente para ser ouvida no processo ainda. O delegado vai conversar com ele de novo. As coisas não são dessa forma como estão falando”, pontua.
Aluno de direito é preso por postar fotos íntimas de menina de 11 anos em Rio Verde, Goiás (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

26 novembro 2013

Sinceramente

 Sinceramente eu te desejo um amor.
Que dure.
Que cure.
Que alegre.
Que seja.
Também te desejo um casamento bonito.
Que compense.
Que valha.
Que marque.
Que seja.
Também te desejo uma família estável.
Que cresça.
Que some.
Que esteja.
Que seja.
E por último também te desejo uma boa memória.
E que ela te lembre todos os dias que comigo poderia ter sido melhor.
E seria.
— Sean Wilhelm. 

10 anúncios acusados de racismo

No dia 20 de novembro, comemorou-se o Dia Nacional Da Consciência Negra.
Em alguns municípios, como São Paulo e Rio de Janeiro, a data representa um feriado, mas o objetivo principal é promover a reflexão sobre a violência sofrida pelos negros ao longo dos anos.
O Adnews expande a discussão e lembra abaixo alguns exemplos de campanhas acusadas de racismo.
Confira:
Benetton
O fotógrafo Oliviero Toscani, responsável pela peça ao lado, desenvolveu o anúncio para a polêmica campanha United Colors da Benetton. A imagem criou controvérsia quando foi lançada e classificada como racista por alguns grupos. A questão é: a peça é racista ou promove uma reflexão sobre nossa visão distorcida de mundo?
 Campanha da Benetton contra discriminação
Dove
A Dove resolveu colocar três modelos em seu anúncio: uma negra, outra latina e a última branca. O problema? A disposição das moças deu margem a diferentes interpretações. Em vez de dar a entender que o produto pode melhorar a pele, como mostra o background, parece que o creme irá transformar a negra na loira, tendo a latina como meio termo.
Anúncio da Dove acusado de racismo
Nivea
A peça da Nivea pedia que homens se “recivilizassem”. Como? Fazendo a barba e cortando o cabelo. O anúncio mostrava um homem negro com cabelos curtos jogando fora sua versão no visual afro e barbada. "Nunca foi nossa intenção ofender ninguém", disse a marca à época.
Anúncio da Nivea acusado de racismo
Popchips
A marca de salgadinhos chamou Ashton Kutcher para sua campanha, mas a interpretação estereotipada do ator para o personagem indiano Raj, que seria uma espécie de candidato para um serviço de namoro fictício, não agradou. O resultado? O tal personagem foi limado da campanha.

Pão de Açúcar
Um manequim negro instalado numa loja do Pão de Açúcar causou revolta de internautas nas redes sociais. O motivo: o boneco possuía grilhões em seus pés. Assim que tomou ciência do caso, a rede providenciou a retirada da estátua das lojas e disse que iria rever o processo de seleção de suas peças decorativas.
Manequim negro de pés acorrentados no Pão de Açúcar, São Paulo
Devassa
A Devassa causou polêmica com o anúncio ao lado, tanto que o Conar recomendou alterações na peça, que dizia "É pelo corpo que se conhece a verdadeira negra".
Anúncio da Devassa Tropical Dark
Numéro Magazine
Ondria Hardin é uma modelo branca. Ela é assim desde seu nascimento. Mas a revista Numéro resolveu utilizar a moça em um editorial chamado Rainha Africana. Como? Bronzeando a pele da garota. "Me entristece que algumas pessoas tenham interpretado isso como uma maneira de fazer piada sobre uma etnia”, disse o fotógrafo Sebastian Kim.
Anúncio da Numéro Magazine acusado de racismo
Dunkin Donuts
A rede de rosquinhas resolveu promover seu novo donut "carvão" pintando uma modelo branca de negro. O problema foi quando a Human Rights Watch considerou a peça "chocante e racista". Apesar de a rede ter se desculpado, nem todos se arrependeram. Nadim Salhani, diretor geral da Dunkin Donuts na Tailândia, considerou a polêmica "ridícula". "Não podemos usar preto para promover o nossas rosquinhas? Por que toda essa confusão?"

O anúncio da Pepsi mostra uma mulher e um policial em uma delegacia identificando suspeitos. O grupo de supostos criminosos é formado por homens negros e um bode. À época, a Pepsi disse que assumia "total responsabilidade" por qualquer ofensa causada pelo comercial e disse ter retirado o anúncio de seus sites.
Confira ao lado uma matéria da ABC feita na época da polêmica.

União Europeia
Estereotipar também foi um problema para a União Europeia. No anúncio ao lado, ela mostra os "perigos" do avanço de Brasil, Índia e China contra o velho continente. O objetivo era promover a união dos países europeus.Apesar da má repercussão ante a comunidade internacional, um porta-voz da Comissão Europeia afirmou ao jornal inglês The Guardian que a campanha havia sido bem-sucedida junto ao target escolhido.

5 lendas urbanas que se tornaram realidade

Mesmo que já tenha passado um tempo desde a última vez que você passou uma tarde preguiçosa assistindo “A Usurpadora”, “Marimar” ou “Maria do Bairro”, você provavelmente ainda está familiarizado com antigos clichês de novelas mexicanas. 
Há sempre algum drama médico rebuscado, como o amante que se acreditava morto ressurgindo vivinho da Silva, alguém que acaba por ser o seu próprio gêmeo ou um personagem que entra em coma, apesar de absolutamente nada estar errado com seu corpo. 
Talvez o personagem principal possa receber o diagnóstico de uma doença fictícia como AIDS lupina ou câncer do bolso. Independentemente disso, não importa o quão louco seja o drama médico da novela, nenhum deles se compararam aos enredos que essas pessoas enfrentaram no mundo real.
5. Mulher morta que acordou momentos antes de seus órgãos serem colhidos para transplante
Em 2009, Colleen Burns, de 41 anos, não estava se sentindo muito bem e, como a maioria dos norte-americanos, tinha acesso irrestrito à medicina “prescrita” extremamente perigosa.
Porém, por mais que as coisas já estivessem bem ruins, elas ainda podiam sempre piorar. Em algum momento depois de Colleen ter uma overdose em função das pílulas que ingeriu, ela foi levada às pressas para o Hospital St. Joseph’s, em Syracuse, Nova York, e teve sua morte cerebral declarada. Uma vez dada a notícia, a família concordou em honrar seus desejos de ter seus órgãos doados. Bem, pelo menos algo de bom poderia sair desta tragédia.
Mas a norte-americana não passou exatamente no teste do “Você tem certeza que está com morte cerebral e não apenas muito preguiçosa?”. Quando uma enfermeira coçou a sola do pé da paciente, os dedos de Colleen se encolheram. As narinas da suposta morta também se alargaram nas horas que antecederam o momento que estava programado para ser a sua evisceração. Nós sabemos que um grande número de cadáveres vivos se movimentam e reagem vagamente a estímulos, mas esse não era exatamente o caso de Colleen.
Apesar de duas grandes indicações de que ela, na verdade, não tinha sido vítima de morte cerebral, uma enfermeira aplicou um sedativo em Colleen (o que é estranho, porque você não precisa sedar uma pessoa com morte cerebral), a levou para a sala de cirurgia, a colocou na mesa de operação e a preparou para a cirurgia que iria livrá-la dos órgãos que sustentavam sua vida. Foi neste momento que Burns abriu os olhos. Nós esperamos, sinceramente, que ela tenha tido a presença de espírito de apontar para a enfermeira e murmurar alguns sons sinistros. Não é todos dia que você consegue boas oportunidades de lançar uma maldição, né?
Felizmente, os médicos estavam se sentindo generosos e decidiram não ir adiante com a coleta de órgãos da mulher viva. Colleen eventualmente deixou o hospital com suas próprias pernas e a instituição foi multada em um total de 22 mil dólares por parte do Estado por causa desta ocorrência.
4. O nariz escorrendo que, na verdade, era um vazamento de fluido cerebral
Joe Nagy passou mais de um ano limpando ranho na manga antes de finalmente decidir ter seu vazamento verificado por um médico. Ele provavelmente esperava deixar o consultório com um antibiótico forte e algum desinfetante para as mãos. Contudo, as coisas não saíram exatamente como planejado.
O médico de Nagy testou o que todo mundo pensava que era ranho e descobriu que o líquidona verdade estava vindo diretamente de seu cérebro. Nagy tinha um buraco na membrana que envolve o órgão vital e seu suco de cerebral transparente estava vazando pelo nariz. Há anos.
Como se a notícia de que seu cérebro estava vazando pelo seu rosto não fosse horrível o suficiente, Nagy logo desenvolveu um caso violento de meningite, o que provavelmente teve algo a ver com o fato de que sua membrana cerebral tinha um buraco. Ele ainda precisou esperar a meningite ser curada para que o médico pudesse consertar o buraco. E como ele fez isso? Enfiando uma agulha em seu nariz e colando o buraco na membrana.
3. O homem que vivia com um lápis na cabeça
Se você acordasse amanhã com uma dor de cabeça, provavelmente pensaria que ela tem alguma relação com estresse, uma ressaca ou talvez um concurso regional amador de cabeçadas no qual você se inscreveu de brincadeira. Porém, se você acorda com muita, mas muita dor de cabeça e problemas de visão em um olho, é hora de usar sua melhor voz de Schwarzenegger e começar a imitar o “Exterminador do Futuro”. Pelo menos é isso que nós presumimos que um afegão de 24 anos fez.
Acontece que os médicos tratam problemas de visão um pouco mais a sério do que nós e pediram que uma varredura do seu cérebro fosse feita imediatamente. Eles não encontraram câncer ou uma lesão estranha na cuca do cara. Eles encontraram um lápis.
O objeto estava alojado nos seios paranasais do homem chegando até a sua faringe e de alguma forma danificado sua cavidade ocular. O afegão não conseguia se lembrar de nada que pudesse explicar como o lápis foi parar em sua cabeça. No entanto, ele se lembrava de levar um tombo quando criança e sofrer com hemorragias nasais depois disso – coisa que tinha ocorrido há 15 anos! Certamente não estaria lá desde então, não é mesmo? Porém, estava.
O homem foi submetido com sucesso ao que, talvez, foi a primeira lápistomia da história, e se recuperou completamente, embora sua visão ainda esteja embaçada em um olho. O lápis viveu feliz para sempre. Ou então foi jogado fora em uma lata de lixo hospitalar. Não sabemos.
2. O cadáver que teve um bebê – e voltou à vida
Erica Nigrelli, uma professora de ensino médio, estava há três semanas de ter seu filho quando algo deu terrivelmente errado. Ela estava andando por aí com um cardiomiopatia hipertrófica não diagnosticada, que fez com que seu músculo cardíaco ficasse mais grosso. E não, isso não faz de você mais generoso, e sim te mata com ataques cardíacos. E assim o fez. Um dia, no meio da aula, o coração de Erica deu o fora nela.
No início, os sintomas da professora pareciam os que normalmente aparecem ao final de uma gravidez. Ela sentiu um pouco de tontura, formigamento e viu surgir algumas manchas. Apenas por precaução, Erica se dirigiu pesadamente para outra sala de aula para alertar um professor, desmaiando em seguida, tendo espasmos e começando a espumar pela boca. Como seu marido trabalhava no mesmo prédio, três adultos diferentes tentavam lhe fazer uma massagem cardíaca enquanto chamavam a emergência.
Até chegar ao hospital, seu pulso tinha sumido, mas ainda havia outra vida em jogo. Os médicos realizaram uma cesariana imediatamente. Bem-vindo ao mundo, bebê! Mas, sua mãe infelizmente está morta.
Então, algo incrível aconteceu. Os médicos ficaram surpresos quando o coração de Erica de repente começou a bater novamente. Ela foi colocada em coma induzido por cinco dias, e mais tarde fez uma recuperação completa.
1. O curioso caso da dor de estômago
Imagine que você, caro leitor, é um homem barbudo de 66 anos de idade que dificilmente alcança 1,35 metros de altura e leva entre as pernas o que é, infeliz, mas precisamente, chamado de micropênis. Lamentamos, mas a sua vida agora é apenas isso.
Você também foi criado como um órfão, e porque o universo decidiu que ainda não tinha cansado de brincar com você, você teve um caso grave de inchaço e dor abdominal. Como se sua história de vida já não soasse como uma maldição cigana, o médico diz que o desconforto que você está enfrentando é por causa de um cisto no ovário. É isso mesmo que você leu, no ovário.
Essa é a notícia exata que um infeliz idoso chinês recebeu. Outros testes levaram a mesma conclusão: de que esse cara, era, tecnicamente, uma senhora. A condição é chamada de hiperplasia adrenal congênita, o jeito médico de explicar uma “genitália seriamente ambígua”. Embora esta seja uma doença rara (apenas cerca de 1 em cada 14.000 pessoas sofrem dela atualmente em todo o mundo), os médicos também descobriram que o paciente tinha síndrome de Turner. Mulheres que sofrem de síndrome de Turner possuem pequena estatura e têm problemas no ovário que as tornam inférteis. Em toda história, apenas outras seis pessoas foram diagnosticadas com as duas doenças ao mesmo tempo.
Junto com a remoção do cisto do ovário, os médicos removeram um útero atrofiado e trompas, porque o paciente desejou continuar a reconhecer-se como homem.

Família busca ajuda para menina de 2 anos com corpo coberto de pelos

A família de Kemilly Vitória Pereira de Souza está em busca de ajuda para a filha, que tem 2 anos e 8 meses. Ela nasceu com o corpo coberto de pelos, que foram escurecendo ao longo do tempo. Atualmente, somente as palmas das mãos e os pés da menina não apresentam as pelugens.  “Logo que ela nasceu, estranhei a quantidade de pelinhos, mas achava que era normal e com o tempo ficariam invisíveis. Mas não, a situação piorou cada vez mais e agora ela está completamente coberta”, conta a mãe, a dona de casa Patrícia Batista Pereira, 22 anos.
Os pais moram em Augustinópolis, no Tocantins, mas buscaram tratamento em Goiânia, onde estão desde o último dia 17. De acordo com a mãe, a menina começou a ser submetida a exames assim que completou 1 mês de vida, ainda na cidade natal. “Fizemos de tudo o que se possa imaginar. Raio-x da cabeça, eletrocardiograma, ultrassom pélvico e abdominal, sem contar aqueles que eu nem entendo o nome. Os médicos achavam que ela tinha alguma doença que poderia ter desencadeado o crescimento, mas ela é saudável e nenhum apontou problema”, explicou.
Kemilly Vitória nasceu com o corpo coberto de pelos e pais buscam tratamento (Foto: Fernanda Borges/G1)
Após diversas consultas médicas, segundo Patrícia, os médicos disseram que o caso de Kemilly é raro e estaria ligado a algum descontrole hormonal. Depois disso,  a criança passou por diversos especialistas, até ser encaminhada a uma dermatologista que desconfiou que o problema dela poderia ser genético.
“Na nossa cidade ninguém entendia o que acontecia com a minha filha. Aí, quando ela tinha 1 ano, fomos até a cidade de Imperatriz, no Maranhão, visitar uma médica que era conhecida de uma cunhada. Já estávamos sem esperanças, pois todo mundo falava que não tinha o que fazer, mas a doutora nos encorajou e disse que ela poderia ser tratada. No entanto, a gente tinha que procurar uma geneticista”, relatou a mãe.
Desde então, ela toma um remédio para tentar reduzir os pelos. “Infelizmente, parece que não houve efeito, pois ela continua peludinha e parece que não para de aumentar”, disse Patrícia, que ressalta que a menina tem uma vida normal. "Ela é ativa, gosta de brincar, fala sobre tudo, come bem. O problema só aparece quando a gente precisa sair com ela de casa e todos começam a olhá-la com espanto. Por enquanto, estamos contornando a situação, mas até quando?", questionou.
Com isso, a família voltou para Augustinópolis e tentou pedir ajuda da Secretaria de Estado da Saúde do Tocantins, pois na cidade não havia a especialidade na rede pública de saúde. “Eles nos disseram que não podiam fazer nada lá e nos enrolaram bastante tempo alegando que os pedidos médicos da Kemilly tinham se perdido. Aí eu passei a me informar e decidi seguir para Goiânia, onde mora meu irmão. Procurei o governo mais uma vez e eles nos ajudaram com as passagens de ônibus. Estamos nos virando com o restante das despesas por aqui”, afirmou o pai da criança, o eletricista Antônio de Souza, 34 anos.
Apenas as palmas das mãos e a planta dos pés de Kemilly não apresentam pelos (Foto: Fernanda Borges/G1)
Na capital, a família conseguiu uma consulta para a menina no Hospital das Clínicas, onde, segundo eles, foram solicitados 13 exames. “O problema é que a maioria é pago, pois não há disponibilidade no Sistema Único de Saúde (SUS). Felizmente, houve repercussão do caso e algumas pessoas nos ofereceram ajuda. Do total, faltam apenas quatro para serem feitos. Mas já nos garantiram que o problema dela não é hormonal e talvez possa ser tratado com uma espécie de depilação a laser”, explicou o pai.
Segundo o pai, muitas pessoas estão procurando a família para oferecer ajuda. “Somos agradecidos a todos que ficaram sensibilizados com o caso, pois precisamos reverter essa situação o quanto antes. O ideal seria que conseguíssemos um tratamento para Kemilly nas proximidades de Augustinópolis, para que eu não precise deixar meu emprego. Mas se aparecer algo em Goiânia, também vamos aceitar. Tudo o que queremos é a felicidade dela”, disse o eletricista.
Emocionada, a mãe de Kemily afirma que eles tentaram por muito tempo não expor a criança, mas perceberam que quanto mais tempo demorassem, mais ela poderia ser afetada pela condição. “Ainda no hospital um médico brincou e disse que ela era filha do ator Tony Ramos. Até achei graça na hora, mas essa comparação não saiu mais da minha cabeça. Se eu sofro com isso, imagina só como será a infância e adolescência dela”, afirmou.
Pai conta que também nasceu peludo e acredita que problema seja genético (Foto: Fernanda Borges/G1)

Jovem morre após tirar foto dirigindo a 170 km/h em Itanhaém, SP

Uma jovem de 19 anos morreu após bater o carro em uma pilastra de uma passarela, no fim da tarde desta segunda-feira (25), na rodovia Padre Manoel da Nóbrega, na altura da cidade de Itanhaém, no litoral de São Paulo. A jovem tirou uma foto do velocímetro em alta velocidade segundos antes do acidente.
Giovana Dias de Souza Alves, de 19 anos, trabalhava em um banco em Praia Grande. Ela estava voltando para casa, em Itanhaém, quando ocorreu o acidente, por volta das 18h, no km 315 da rodovia. A jovem perdeu o controle da direção e bateu o carro em uma pilastra de sustentação de uma passarela.
Acidente aconteceu na rodovia Padre Manoel da Nóbrega  (Foto: Tarcisio Sween/VC no G1)
Segundo a polícia, antes de morrer Giovana tirou uma foto com o celular que prova que o veículo estava em alta velocidade. De acordo com a polícia, a jovem dirigia a 170 km/h e essa pode ter sido a causa do acidente. O celular da jovem foi recolhido pelo Instituto de Criminalística de Itanhaém e passará por análise.
Giovana morreu no local. O carro foi retirado depois de duas horas do acidente e ficou totalmente destruído. O corpo de Giovana foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) de Praia Grande. O velório da jovem será realizado em Itanhaém na tarde desta terça-feira. Ninguém da família foi localizado para falar sobre o acidente.
Carro ficou destruído após o acidente (Foto: Tarcisio Sween/VC no G1)

Carros batem, e mulher que tentava atravessar a rua é atingida; veja

Uma mulher ficou gravemente ferida após ser atropelada por um carro no Centro de Maringá, no norte do Paraná, por volta das 7h desta terça-feira (26). Segundo o Corpo de Bombeiros, o acidente envolveu um carro e um táxi. Com o impacto, um dos motoristas perdeu o controle e atingiu a pedestre, que aguardava para atravessar a rua na faixa.
Imagens de câmeras de segurança gravaram a ação. A mulher foi arremessada por cerca de dez metros.
A vítima foi encaminhada para o Hospital Santa Rita e depois para a Santa Casa. Às 12h30, os médicos informaram que ela estava consciente e que o quadro era estável. O motorista do carro, de 70 anos, teve ferimentos leves. O condutor do táxi e os passageiros dos veículos que se envolveram na batida não ficaram feridos.

25 novembro 2013

Veja o violento vídeo de pessoas morrendo ao dançarem Gangnam Style

Um casamento no Iêmen terminou em desastre após um convidado atirar para o ar com uma AK-47 matando acidentalmente dois homens que dançavam o hit pop "Gangnam Style", segundo informou a polícia e de acordo com um vídeo postado online.
Uma fonte policial disse que o convidado do casamento, que ocorreu no sul da cidade de Taiz, perdeu o controle da arma. Duas outras pessoas feridas foram levadas para o hospital.
Um vídeo que circula na internet mostra o acidente, que aconteceu no final da semana passada. A autenticidade não pode ser imediatamente verificada. As imagens mostram um homem atirando para cima e depois começando a dançar com vários outros convidados.
Um som de tiroteio é depois ouvido e quando a câmera é abaixada corpos são vistos pelo chão com sangue. A música para e os convidados correm para ajudar as vítimas.
Um casamento no Iêmen terminou em desastre após um convidado atirar para o ar com uma AK-47 matando acidentalmente dois homens que dançavam o hit pop "Gangnam Style", segundo informou a polícia e de acordo com um vídeo postado online. Uma fonte policial disse que o convidado do casamento, que ocorreu no sul da cidade de Taiz, perdeu o controle da arma. Duas outras pessoas feridas foram levadas para o hospital. Um vídeo que circula na internet mostra o acidente, que aconteceu no final da semana passada. A autenticidade não pode ser imediatamente verificada. As imagens mostram um homem atirando para cima e depois começando a dançar com vários outros convidados. [Veja o vídeo aqui. As imagens são fortes.] Um som de tiroteio é depois ouvido e quando a câmera é abaixada corpos são vistos pelo chão com sangue. A música para e os convidados correm para ajudar as vítimas.

Fotógrafo processa agências por foto de terremoto e ganha US$ 1,2 milhão

Um júri condenou as agências de fotografia France Presse e Getty Images a pagar US$ 1,2 milhão (o equivalente a quase R$ 2,75 milhões) ao fotógrafo haitiano Daniel Morel por danos após a violação de direitos autorais de fotos que ele tirou no terremoto que atingiu o Haiti em 2010.
No dia do terremoto, 12 de janeiro daquele ano, Morel publicou fotos exclusivas do desastre usando seu perfil no Twitter. Enquanto algumas agências de fotografia entraram em contato com o fotógrafo para negociar a compra das imagens ou pedir a autorização para sua distribuição, outras (entre elas a AFP e a Getty Images), reproduziram fotos sem consentimento.
O resultado foi que a foto abaixo, uma das publicadas por Morel e retuitadas inúmeras vezes após o terremoto, acabou estampando capas de jornais, sites e revistas por meio da distribuição das duas agências, parceiras entre si, que têm clientes em todo o mundo. Por e-mail, o fotógrafo autorizou o uso da imagem pelo G1.
Pessoas são retiradas de sob escombros em foto feita por Daniel Morel após o terremoto que atingiu o Haiti em janeiro de 2010 (Foto: Daniel Morel/photomorel.com)
Pessoas são retiradas do meio dos escombros em foto feita por Daniel Morel após o terremoto que atingiu o Haiti em janeiro de 2010. A imagem ilustrou capas de jornais, sites e revistas em todo o mundo (Foto: Daniel Morel/photomorel.com)
Depois que o fotógrafo alertou as agências ainda em 2010 sobre o problema e seguiu sem receber pagamento por suas imagens, advogados das acusadas argumentaram que a distribuição das fotos não foi uma infração intencional e era o resultado de erros. Eles chegaram a sugerir o pagamento de US$ 275 mil como compensação.
Em janeiro deste ano, uma corte federal nos EUA já havia decidido que a France Presse, que repassou as fotos para a Getty Images, violou os direitos de Morel ao distribuir suas fotos. Na sexta-feira (22), além de estabelecer o valor da compensação, o júri em Nova York também entendeu que as agências agiram de forma intencional ao quebrar os direitos autorais e cometeram 16 violações à Lei dos Direitos Autorais do Milênio Digital.
Segundo o site Photo District News, o valor de US$ 1,2 milhão é o máximo previsto nos EUA para compensação por danos legais.
Em fevereiro de 2011, Daniel Morel foi agraciado com dois prêmios do World Press Photo, um dos mais renomados do mundo, justamente pelas fotos do ano anterior que originaram o processo contra as duas agências de fotografia. Ele ganhou o primeiro lugar na categoria "Spot News Stories", e o segundo lugar na categoria "Spot News Singles".

24 novembro 2013

Os mais macabros experimentos feitos em humanos

Todo avanço exige algum tipo de sacrifício. Mas até onde é válido sacrificar algo para obtermos um novo conhecimento? Essa é uma das questões mais polêmicas que existem no mundo, ainda mais quando os experimentos feitos envolvem seres humanos. Será que o sofrimento passado por essas pessoas valeu o conhecimento adquirido?
Sem anestesia
Em 1840, J. Marion Sims, um médico americano, realizou vários estudos cirúrgicos em escravos. Um de seus experimentos envolvia cirurgias vaginais sem anestesia. Durante mais de três anos, ele tentou encontrar a cura para fístula vesicovaginal, usando escravas como cobaias. Uma das mulheres chegou a ir 30 vezes para mesa cirúrgica, sem anestesia alguma, até ter seu problema resolvido.
Além disso, Marion praticava outras formas de curas bizarras, que incluíam a utilização de perfuradores de ferro, usado por sapateiros, para abrir buracos na cabeça de pessoas que sofriam de trismo.
Água fervendo
Dr. Walter Jones, nos idos de 1840, realizou alguns dos experimentos mais macabros da história da humanidade. Ele afirmou ter descoberto a cura para a febre tifoide, uma doença que causava muitos problemas na época. Assim, para testar seu remédio revolucionário, ele pegou alguns escravos e iniciou os testes.
O “milagroso remédio" feito por ele era água fervendo. Para aplicá-lo, o médico colocava o escravo deitado de barriga para baixo, depois despejava a água fervente sobre ele! Mas isso não era o bastante, o procedimento precisava ser feito de 4 em 4 horas! O médico morreu afirmando que muitos pacientes foram curados, mas, obviamente, isso jamais foi provado.
Tratamento de choque infantil
Lauretta Bender é uma médica de renome, que foi importante no desenvolvimento de alguns exames capazes de determinar se uma criança possui algum tipo de problema mental ou não. Porém, nem só de coisas boas é feita a sua história.
Em um dos experimentos mais insanos feitos por alguém, ela tratou crianças com problemas mentais a base de choque! Lauretta dizia que o choque dado fazia com que os problemas mentais desaparecessem, além disso, ela dopava as crianças com LSD e outras drogas poderosas. Muito se fala que essa médica estava ligada ao estranho projeto MK-ULTRA (programa ilegal e clandestino de experiências em seres humanos) da CIA.

Veja mulher com 'pênis' e outros pacientes chocados após cirurgias

Mulher acorda com 'pênis'
Após perder mais de 60 kg depois de realizar uma cirurgia de redução de estômago, a britânica Helena Barret, de 38 anos, ficou chocada ao descobrir que uma sobra de pele entre suas pernas parecia um pênis, fazendo seus amigos pensarem que a mulher havia passado por uma cirurgia de mudança de sexo.
Helena Barret ficou com sobra de pele acima do osso pubiano, o que dava a impressão de que a britânica tinha um pênis (Foto: Caters News)
Lápis no cérebro
Um jovem afegão de 24 anos que se queixava de dores de cabeça surpreendeu médicos alemães que descobriram que ele vivia há 15 anos com um lápis encravado em sua cabeça, causando diversos problemas de saúde ao rapaz.
Lápis com 7 cm de comprimento foi retirado do cérebro de jovem após 15 anos (Foto: University Clinc Rwth Aachen / AFP)
Pena na garganta
No fim de 2012, os pais de Mya Whittington, de apenas seis meses, ficaram chocados aos descobrirem que uma ponta estranha que parecia ser uma espinha comum era, na verdade, uma pena que estava alojada dentro da garganta da menina.
Inchaço que parecia espinha era, na verdade, ocasionado por uma pena (Foto: Travis Morisse/AP)
Bumbum 'invertido'
Em novembro de 2012, uma mulher publicou um vídeo na internet no qual mostra o defeito de sua prótese de silicone colocada no bumbum. A paciente consegue girar a prótese, deixando seu bumbum com aparência de "deformado"
Mulher ficou com bumbum 'deformado' após silicone sair do lugar (Foto: Reprodução/YouTube/)
'Tesoura' esquecida'
Após sentir dores abdominais, o paquistanês Safdar Ali Shah, de 36 anos, descobriu em abril de 2012 que tinha uma "tesoura" em seu corpo, deixada por uma equipe médica durante uma cirurgia que ele havia se submetido nas costas em 2000. A pinça hemostática permaneceu 12 anos no organismo de Shah.
Safdar Ali Shah, de 36 anos, exibe raio-X que mostra a pinça em seu corpo. (Foto: Akhtar Soomro/Reuters)
Agulha na cabeça
A chinesa Zhou Chaozheng, que mora na província de Hunan, foi surpreendida ao descobrir no início de 2010 que uma agulha de 2,5 centímetros estava há 20 anos encravada em sua cabeça. Os médicos estimam que Zhou encravou o objeto quando tinha apenas um ano de idade.
Imagem de raio-X mostra uma agulha de 2,5 centímetros que ficou por 20 anos encravada na cabeça da chinesa Zhou Chaozheng, que mora na província de Hunan. Ela passou por uma cirurgia em outubro de 2010 após começar a sentir dores de cabeça depois de dar à (Foto: Getty Images)
Plástico no pulmão
O norte-americano John Manley, de 50 anos, descobriu em setembro de 2009 que o motivo pelo qual tinha crises de tosse, cansaço e uma pneumonia que o fragilizou por dois anos era um pedaço de plástico que havia sido inalado pelo homem, provavelmente enquanto tomava uma bebida. 
Médicos retiraram um pedaço de plástico de três centímetros do pulmão esquerdo do norte-americano John Manley, que sofria com crises de tosse (Foto: AP)
Pedra de 1,125 kg no rim
Incrédulo, o húngaro Sandor Sarkadi observou, ao lado da esposa, uma pedra de 1,125 kg retirada de seu rim em janeiro de 2009. Cirurgia aconteceu no hospital Kenez Gyula, em Debrecen.
A urologista Judit Csorba, do hospital Kenez Gyula, em Debrecen (Hungria), segura pedra de 1,125 quilo e 17 centímetros de diâmetro retirada do rim do paciente Sandor Sarkadi. (Foto: MTI,Tibor Olah/AP)

Mãe trata filha japonesa e gato como irmãos e conquista milhares na web

Identicada em seu perfil no Instagram como "makicocomo", uma mãe faz o maior sucesso na web com fotos de sua filha e seu gatinho de estimação, o Toco.
A mulher, que vive no Japão, fotografa a menina brincando com o felino desde os primeiros meses de vida da criança. "Eles cresceram juntos", diz a japonesa sobre a dupla. 
Os momentos de fofura são registrados e postados na web. As imagens, que mostram o animal e a garotinha vivendo quase como irmãos, tem conquistado milhares de usuários da rede social.
Mais de 10 mil pessoas seguem o perfil de "makicocomo" e aguardam ansiosas pela publicação das fotos definidas como "irresistíveis" pelos internautas.
Editora Globo
Editora Globo
Editora Globo
Editora Globo
Editora Globo

Menina de 7 anos corta os cabelos para doar às crianças com câncer

Há de se admirar um ato de solidariedade, principalmente quando ele nasce no coração de uma criança. Daniella Alvarenga, de 7 anos, surpreendeu a mãe quando pediu para cortar os longos cabelos e doá-los aos pequenos que lutam contra o câncer. Em 2012, a doença foi diagnosticada em mais de 11 mil crianças, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer.
A família, que mora em São Fidélis, no Norte Fluminense, abraçou a causa e apoiou a decisão da pequena que, apesar da pouca idade, deu uma lição de coragem. O pai, Nelson Marcos, que sempre admirou os cabelos compridos da filha, não pensou em discordar do pedido.
Daniella, de 7 anos, cortou os cabelos para doá-los às crianças com câncer. (Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal)
“Para nós, pais, não existe nada mais especial do que ver um filho tomando uma atitude tão pura na expectativa de ajudar alguém que ele nem conhece. Foi a Daniella que me explicou que era possível doar os cabelos para a produção de perucas. Ela disse que as crianças com câncer não gostavam de usar perucas com cabelos sintéticos", explicou a mãe, Joelana Alvarenga.
Dois dias depois do pedido, a mãe levou a pequena para o salão de beleza. “Eu não sabia que era para cortar tão curto. Depois que fiquei sabendo que o propósito era tão especial”, contou a cabeleireira Camila Crespaumer.
Os cabelos serão doados ao Graac. (Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal)
Com as mechas nas mãos e um sorriso no rosto, Daniella exibiu os cabelos que serão doados para o Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer (Graac) em São Paulo.
“Eu vi na televisão as pessoas cortando os cabelos e percebi que podia fazer o mesmo. Pedi para a minha mãe. Ela deixou e eu fui cortar. Agora só falta ir no Correios para mandar os cabelos. Depois, eles vão fazer uma peruca com cabelos de verdade”, explicou a menina Daniella.
No último sábado (23), foi lançada a campanha do Graac para celebrar o Dia Nacional do Combate ao Câncer Infantil. Os personagens da Turma da Mônica ficaram “carequinhas”, como as crianças com câncer.
“É possível curar cerca de 70% dos casos. Então, para nós, é muito importante mostrar para as pessoas que devem ser solidárias a esses lutadores”, afirmou Sérgio Petrilli, superintendente médico do Graac.
Personagens da Turma da Mônica estão carequinhas. (Foto: Reprodução/Graac)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...