18 outubro 2015

Esta réplica do martelo do Thor só pode ser levantada por seu criador

Cinquenta e sete mil filmes da Marvel depois, seu cursinho básico de mitologia nórdica já está em dia e você sabe: Thor tem um martelo, o Mjölnir. Só ele consegue levantá-lo, ou alguém igualmente merecedor desta honra. Para praticamente qualquer outra pessoa, mesmo aqueles que são teoricamente mais fortes do que ele, o objeto é incrivelmente pesado.
Trazendo o conceito para a vida real, alguém construiu um Mjolnir que apenas o seu dono pode levantar. Como? Ímãs!
martelo de thor
Conforme explica o site Tech Crunch, apesar de não ser óbvio à primeira vista, há um leitor de impressões digitais no cabo do martelo ligado a um microcontrolador Arduino Mini, uma bateria e um poderoso eletroímã.
Basta colocar a réplica do brinquedinho de Thor em algo magnético – como, digamos, uma placa de metal grande no chão ou uma tampa de bueiro – e ela trava no lugar. Quando o sensor de impressão digital acima mencionado detecta registros do seu criador, a força do imã é liberada e o Mjölnir pode ser levantado. Caso contrário, ele não vai ceder. (Bem, na maioria das vezes. Parabéns para o cara no final do vídeo que dá um jeito inteligente de driblar a criação genial. Não vamos dar spoiler.)
O vídeo também mostra a montagem e o funcionamento do martelo. Confira:
Fonte: http://hypescience.com, Tech Crunch, I Fucking Love Science.

Como um recém-nascido enxerga o mundo?

Sempre que nos deparamos com algum bebê recém-nascido é ativado em nós aquele sentimento de ternura pelos pequeninos, tamanha a fofura dessas pessoinhas. Porém, por serem tão pequenos e indefesos, despertam em nós algumas dúvidas sobre sua forma de vida. Como por exemplo, se eles conseguem nos escutar, distinguir os rostos ou simplesmente entender o que está acontecendo ao seu redor.
Uma das mais frequentes dessas perguntas é: Como os recém-nascidos enxergam? Será que são só borrões que os pequenos conseguem ver? Será que eles enxergam as cores? Distinguem os objetos? São tantas as dúvidas. Pensando nisso fomos atrás das respostas para essas perguntas e o que descobrimos é surpreendente.
Uma equipe de cientistas baseados nessas dúvidas, fizeram testes com bebês de até 3 dias de vida. De acordo com os testes, foi comprovado que os bebês conseguem enxergar e reconhecer rostos e expressões faciais a 30 centímetros de distância. Ou seja, geralmente a distância entre a mãe e o bebê no momento da amamentação. Quando ocorre o distanciamento para mais de 30 centímetros o rosto da mãe vai perdendo as formas e se transformando em um borrão. Com isso, os recém-nascidos só conseguem distinguir os rostos e expressões faciais de quem os carrega no colo.
Os bebês também podem demonstrar interesse por cores primárias, como azul, vermelho e amarelo, tentando acompanhá-las e mantê-las no foco de sua visão. Ou seja, os recém-nascidos enxergam. Porém, isso não significa que consigam identificar o significado daquilo que estão vendo. Por exemplo, eles são capazes de identificar um sorriso de sua mãe, mas não necessariamente que aquilo significa felicidade.
Nos primeiros 3 meses de vida formam-se as primeiras conexões neurais no sistema visual do bebê, dando mais nitidez, melhorando sua visão e capacidade de identificar gestos, objetos e seus significados à uma distância maior.
O bebê está sempre aprendendo através das experiências visuais. Conseguindo com o tempo, assimilar novas imagens, resgatá-las na memória e distribuir significados familiares. Isso é perceptível nas primeiras semanas de vida do bebê, quando a sua reação passa a ser mais evidente quando mantêm contato visual com o pais.
O funcionamento do cérebro de um recém-nascido é extremamente complexo e fascinante, já que não existem muitos estudos sobre o seu sensível desenvolvimento. O que torna essas descobertas incrivelmente importantes para desvendar os mistérios da mente dessas pessoinhas tão fofas.
bebe
Fonte: http://www.fatosdesconhecidos.com.br

A posição que você dorme explica sobre sua personalidade

Embora pareça meio sem fundamento, vivemos dando indícios daquilo que somos e gostamos em ações e gestos involuntários ao longo dos dias (ou noites). O modo como você anda, conversa, o jeito de comer ou a sua caligrafia. Tudo, de alguma forma, acaba entregando o seu “eu”.
Ultimamente têm sido feitas várias pesquisas em busca de explorar a personalidade das pessoas, personalidades essas que estão cada dia mais diferentes e mutáveis. Como diria Chico Buarque: “Nunca somos, sempre estamos”, e em busca da descoberta dessas personalidades e seus “porquês”, foi comprovado que a maneira que dormimos diz muito sobre o que somos. Quer entender essa viagem? Então acompanhe:

Linguagem corporal
A linguagem corporal é tudo aquilo que sentimos traduzido em gestos. Como não existe vocabulário corporal que consiga dizer tudo aquilo que estamos sentindo ou pensando, o corpo acaba involuntariamente, dando alguns sinais daquilo que se passa dentro de nossa cabeça através de sinais; Como gestos, piscadas ou posições durante o sono.
Durante a noite, tudo aquilo que foi absorvido pelo nosso organismo durante o dia ganha voz e se dispersa através do nosso corpo. Por exemplo, se você teve um dia estressante, cheio d tarefas e pressão, seu corpo refletirá isso, através de dores e tensão muscular. Se você teve um dia leve e divertido, é normal que pareça bem quando a noite chega, se sentindo disposto e alegre. Isso tudo envolve coisas como preocupações e emoções, que podem ser de todo o tipo.
De acordo com pesquisas, a maioria de nós, que tem que lidar com afazeres estressantes durante o dia, problemas financeiros e algum desentendimentos com pessoas do nosso convívio, quando chega a hora de ir pra cama, costuma dormir em posição fetal, com os joelho encolhidos. Essa é uma forma do nosso organismo usa para procurar conforto, ou seja, que compense a jornada diária.

Personalidade e posição para dormir
Posição fetal: Geralmente são aqueles que se preocupam em excesso e tem alto senso de responsabilidade. Pessoas conscientes que estão sempre determinadas e dispostas a colocar ordem em situações de desorganização.
Posição de tronco: A posição consiste em manter o corpo reto, alongado e os braços ao lado do corpo. Esse tipo de pessoa tem tendência a ser altamente teimosa. A personalidade é tão rígida e metódica, que se reflete na posição nessa posição inflexível e prática.
Braços para frente: As pessoas que dormem de boca virada para cima e os braços esticados para os lados tendem a ser ansiosas. São aqueles que estão sempre em busca de mais. Ambiciosos, nunca estão satisfeitos com aquilo que já tem. Porém, desistem fácil quando algum obstáculo surge entre eles e seu objetivo. São bastante observadores e críticos.
Boca para baixo com os braços esticados: É uma posição traduzida por pessoas inseguras. Aquelas que tentam ter alguma garantia daquilo que lhes pertence para ter certeza que não irão perder. Essas pessoas também costumam ser possessivas e ciumentas.
Posição de estrela: Boca para cima com os braços esticados atrás da cabeça. É uma posição confortável e cômoda. Geralmente quem dorme assim tem altas chances de ser alguém que busca apoiar o próximo. Costumam ser pessoas amáveis e com facilidade de socialização.
De bruços com os braços abertos: Geralmente, quem dorme assim é aquela pessoa “good vibes” que não se deixa abalar pelos problemas. Uma posição de relaxamento e que mostram que os problemas ou acontecimentos diários não influenciam muito na hora de ir para a cama. Quanto mais abertos estiverem os braços, mais extrovertida ela é e maior é sua facilidade em se relacionar com os demais.
De lado com as mãos para frente: Essa posição é daqueles cínicos e desconfiados. Os que dificilmente tomam alguma decisão, e quando tomam, demoram muito para conseguir fazer isso. Porém, por outro lado, suas decisões são, na maioria das vezes, irrevogáveis. São aqueles com alto controle das emoções e que sabem manter a distância. Os escorregadios. A posição dos braços pode ser interpretada como alguém de personalidade sonhadora, que deseja alcançar algo a diante.
Sem dúvida, a posição de dormir diz muito sobre a personalidade de cada um: no entanto é bom lembrar também que a mente humana é muito complexa e que há muito mais elementos influenciando-a.
E você? Em que posição costuma dormir? As descrições combinaram com você?
Sem título
Fonte: Uol e http://www.fatosdesconhecidos.com.br

O segredo devastador da Samsung: as lágrimas das 'crianças de semicondutores'

Este artigo foi traduzido do Huffington Post a partir de uma reportagem do Hankyoreh, parceiro de mídia do HuffPost na Coreia do Sul. O texto faz parte de uma série do Hakyoreh sobre os impactos da indústria de semicondutores nos filhos dos trabalhadores.

A Samsung Corporation vem enfrentando nos últimos anos várias acusações perturbadoras relativas à saúde de alguns de seus trabalhadores na Coreia do Sul, sede da empresa.
Ex-empregados e suas famílias, além de sindicalistas, dizem que as condições de trabalho nas fábricas de semicondutores da companhia levaram ao aumento da incidência de doenças como leucemia e outros tipos de câncer entre antigos funcionários que trabalhavam com semicondutores.
O HuffPost Korea e o jornal The Hankyoreh, seu parceiro de mídia, relatam que a exposição de longo prazo a substâncias químicas tóxicas pode ter efeitos duradouros não só sobre alguns antigos trabalhadores da Samsung, mas também sobre seus filhos.
Como muitos pais acham que a culpa é deles e guardam segredo em torno da condição de seus filhos, a questão da toxicidade reprodutiva, quando crianças adoecem devido ao acúmulo de diversos compostos tóxicos no organismo de seus pais por um período prolongado, raramente vem à tona.
Para pessoas que, em muitos casos, jamais pensariam em atribuir suas doenças à empresa para a qual trabalharam, é difícil vincular as doenças de seus filhos a seus próprios locais de trabalho.
A Samsung Electronics e a SK Hynix, grandes corporações mundiais e líderes da indústria sul-coreana de semicondutores, negam que exista alguma relação entre toxicidade reprodutiva e as condições de trabalho no setor da manufatura de semicondutores.
A reação é semelhante à que surgiu após os primeiros relatos, em 2008, sobre “doenças industriais ligadas a semicondutores”, quando ex-empregados da Samsung começaram a atribuir a leucemia e outras doenças que tinham apresentado às condições de trabalho em fábricas de semicondutores.
Em um primeiro momento, a Samsung negou qualquer vínculo entre os incidentes e as condições de trabalho em suas fábricas, mas tribunais sul-coreanos decidiram, em vários casos, que ex-operários da Samsung com leucemia tinham sido vítimas de acidentes industriais. Em maio de 2014, a gigante da tecnologia finalmente divulgou um pedido de desculpas aos operários e suas famílias, prometendo pagar indenização apropriada às famílias dos trabalhadores.
O The Hankyoreh está acompanhando agora o assunto até agora pouco divulgado das “lágrimas da segunda geração dos semicondutores”. O relato que segue, o primeiro capítulo da série, é a narrativa arrasadora da luta de uma família para sobreviver aos problemas de saúde crônicos gerados no local de trabalho. Foram usados pseudônimos em lugar dos nomes reais de todas as pessoas que aparecem no relato.
“Uma foto do aniversário de 1 ano do meu filho? Não existe. Eu estava ocupada demais implorando aos médicos que salvassem meu filho, que estava internado no hospital.”
Kim Hee-eun tem 42 anos e mede 1,75 metro. Ela nasceu e cresceu numa ilha em Wando, na província sul-coreana de Jeolla do Sul, e ali viveu até concluir o ensino médio.
Era uma criança saudável e raramente sofreu qualquer tipo de problema de saúde na juventude. Agora, ao falar de seu filho Gunoo, de 15 anos, que nasceu em 1999, ela chorou. Falou dos anos de dor que Gunoo tem pela frente, já que o sofrimento que ele padece há 15 anos vai continuar pelo resto de sua vida.
"Espero e rezo que ele não fique doente e que cresça com saúde": foi o que Kim Hee-eun escreveu num álbum fotográfico quando seu filho Gunoo nasceu. Crédito: Kim Hee-eun
Gunoo sofre de diarreia incessante desde que nasceu. Sempre que ele come, não importa onde esteja ou com quem, os alimentos que passam por seu trato digestivo viram fezes líquidas. Gunoo não gosta de usar banheiros públicos, especialmente os da escola, porque tem medo dos traços deixados por seu problema.
Ele sempre tem que ir ao banheiro em casa antes de sair para a escola pela manhã e antes de ir ao centro de aprendizagem pós-escola, à noite. Algo que para a maioria das pessoas é um processo corriqueiro e sem dificuldade maior é vergonhoso e doloroso para Gunoo. A possibilidade de complicações futuras é desconhecida.
Gunoo três meses depois de nascer. Ele vomitava constantemente. Sua barriga era inchada, e ele sorria pouco. Crédito: Kim Hee-eun.
O The Hankyoreh se reuniu com a família de Gunoo em Onyang, no condado de Ulsang, Coreia do Sul, em 3 de novembro. Foi o segundo encontro com a família, após o encontro inicial em 12 de agosto. O tempo já esfriou muito, e foram lançados vários avisos sobre o frio. A estação do ano é novamente aquela em que Gunoo, ainda bebê, lutou para sobreviver.
“Nascido em 14 de abril de 1999 às 9h06. Peso: 3,2 quilos”, escreveu Hee-eun. “Um filho que nasceu depois de quatro horas de contrações. Estou pasma. Torço e rezo para que ele cresça saudável, que não fique doente.”
Esse primeiro e único desejo de mãe não seria realizado. Gunoo só produziu mecônio –as primeiras fezes do recém-nascido—três dias depois de nascer, o que é um indicativo de saúde fraca em recém-nascidos. Seu abdome começou a inchar, e ele apresentou febre alta. Passou um mês na UTI neonatal.
O hospital decidiu abrir seu abdome, dizendo que seu intestino grosso estava retorcido, como um novelo de lã. Uma semana depois, o hospital voltou a abrir 15 centímetros do abdome de Gunoo. Em novembro do mesmo ano, Gunoo, então com 8 meses, passou por duas cirurgias de grande porte e foi levado ao Hospital da Universidade Nacional de Seul com um coletor fecal preso a seu corpinho frágil. O hospital abriu seu abdome novamente e extirpou seu intestino grosso por inteiro.
“Eu o amamentei por sete meses, mas ele vomitava tudo. Mesmo quando eu lhe dava remédios numa mamadeira com leite para bebês, ele fazia a mesma coisa. Depois de ser tirado o intestino grosso, ele sujou as cuecas até completar 7 anos. Nem consigo encontrar as palavras para descrever aquele tempo.”
O Hospital da Universidade Nacional de Seul acompanhou Gunoo até ele chegar aos 13 anos de idade. Isso foi feito porque “uma extração do intestino grosso inteiro nunca tinha acontecido” na história do hospital. No último dia dos 13 anos de viagens entre Onyang e Seul – em outras palavras, em dezembro de 2013 --, o médico responsável disse a Gunoo: “Você deveria agradecer à sua mãe. Você sabe quantas dificuldades ela encarou, não?”. A observação só fez Hee-eun chorar mais. “É por minha causa que Gunoo é assim.”
Hee-eun trabalhou na fábrica da Samsung Electronic em Onyang de 1991 a 1998. Seu pai sentiu orgulho quando sua filha começou a trabalhar para a Samsung Semiconductor. Quinze funcionárias dividiam um dormitório de 83 metros quadrados e cumpriam uma jornada de trabalho de 12 horas diárias, com dois turnos.
Em 1993 o horário ficou um pouco mais fácil, com três grupos fazendo três turnos, um mês a cada vez. Com o tempo as coisas melhoraram ainda mais, com quatro grupos e três turnos, alguns anos depois. Quando sua carga de trabalho diminuiu, Hee-eun pôde conhecer e começar a namorar aquele que se tornaria seu marido.
“No fim de ano, a empresa me mimava, dando presentes, coisas como uma máquina de lavar louça e um forno de micro-ondas. Quando eu ganhava essas coisas, achava que trabalhava para uma boa empresa, apesar de estar exausta. Pensávamos que problemas de saúde e menstruação irregular eram coisas normais, que todo o mundo enfrenta.”
Sua percepção das coisas mudou dois anos atrás. Quando Hee-eun reencontrou antigas colegas de trabalho que tinham se tornado mães, elas trocaram notícias sobre a morte e as doenças de outras colegas e suas próprias experiências de infertilidade e abortos acidentais.
Na mesma época, Hee-eun se conscientizou da possibilidade de ter sofrido lesões e exposição em seu local de trabalho. No verão deste ano, quando assistiu ao documentário coreano “Outra Família”, que trata de uma mulher que enfrenta doenças ligadas à indústria dos semicondutores, ela chorou de aflição, dizendo “eu também estava nesse lugar”.
Gunoo (dir.) com seu primo, depois de todas as cirurgias. Uma anotação na foto descreve o período, quando Gunoo tinha 1 ano de idade, como sendo “a época em que Mamãe e Papai choravam mais”. Crédito: Kim Hee-eun.
Hoje Hee-eun se recorda de muitos sinais que estavam presentes em seu ambiente de trabalho e que poderiam tê-la alertado. A fábrica de Onyang, para onde ela foi enviada depois de passar seis meses de treinamento em outra fábrica, tinha acabado de iniciar suas operações.
Havia falhas frequentes em seus equipamentos, que eram consertadas constantemente por engenheiros japoneses residentes. Uma das chaves da manufatura de semicondutores é o processo de fundição. Hee-un revestia os chips semicondutores com um composto de moldagem de epóxi que ela aquecia a 180 graus Celsius para a preservação e proteção dos chips.
Todas as operárias eram mulheres altas, como Hee-eun, porque tinham que levantar manualmente o composto químico e despejá-lo sobre o equipamento, que tinha a altura delas, e depois lavar os chips com outro composto químico, a melamina.
Carcinógenos perigosos como benzeno e formol são produzidos no processo de aquecimento, segundo o Instituto de Pesquisas em Segurança e Saúde Ocupacional (Occupational Safety and Health Research Institute, ou OSHRI).
Hee-eun, que lavava suas próprias roupas protetoras, sujas de substâncias químicas, descobriu que tinha concebido Gunoo uma semana antes de deixar a Samsung Electronics.
“Eu almoçava em 40 minutos para obedecer o cronograma dos turnos ao máximo. Naquela época eu tinha que trabalhar 12 horas por dia, transpirando constantemente. Ninguém me informou que seria preciso usar uma máscara. Quero perguntar: a Samsung não me aconselhou sobre a exposição a compostos tóxicos porque ela própria não sabia?”
Hoje Hee-eun sofre de câncer da tireoide, artrite reumatoide, meningite e câncer epitelial. Ela faz tratamento contra o câncer de tireoide a cada seis meses, tratamento de meningite a cada três meses e contra a artrite reumatoide de dois em dois meses.
Todo mês ela tem que voltar ao Hospital da Universidade Nacional de Seul, apesar de, depois de 13 longos anos, esse mesmo hospital ter dito a ela e Gunoo que não voltassem mais. “Quero passar pelo menos uma noite sem dor”, disse Hee-eun, expressando seu maior desejo.
Quando ela pediu sua ficha médica dos últimos dez anos, para encaminhar um pedido de indenização por lesões sofridas no trabalho, o atendente, chocado, perguntou a Hee-eun onde ela tinha trabalhado.
A família de Gunoo não tem acesso a muita cobertura de seguro-saúde. A única cobertura que ela pode pedir é a de problemas de saúde por desastres, mais algumas por câncer. Mesmo o marido de Hee-eun, que trabalhava numa empresa de papel, feriu os dedos na imprensa. Mas ninguém na família se recorda de ter recebido qualquer seguro contra acidentes e lesões de trabalho.
Hee-eun, que gastou mais de 15 milhões de won (cerca de US$15 mil) com o tratamento médico de Gunoo, agora tem que se preocupar em como pagar seu próprio tratamento. Em 2015, o limite de cinco anos de cobertura por câncer de tireoide previsto em seu plano também vai acabar.
Hee-eun tem 42 anos e em 2007 sofreu um aborto espontâneo na 26ª semana de gestação. Ela não quer ver mais um filho sofrendo dores insuportáveis e decidiu que não terá mais filhos.
Fonte: http://www.brasilpost.com.br

3 tristes fatos que a indústria da carne tenta esconder de você

Certa vez, um dos editores de uma das mais importantes revistas sobre animais criados para consumo citou: "Uma das melhores coisas na moderna pecuária é que a maioria das pessoas não têm ideia de como os animais são criados e processados". Apesar da evolução nos meios de comunicação nos últimos anos, isso ainda é uma verdade: a maioria das pessoas não sabe como os animais são criados, transportados e abatidos. Dessa forma, a capacidade de escolherem o que irão ou não irão consumir é drasticamente comprometida.

Uma vida de sofrimento
Sistemas intensivos, onde os animais são tratados como máquinas em confinamento são comuns no nosso país. No Brasil, aproximadamente 95% das galinhas poedeiras (usadas para produzir ovos) são mantidas em gaiolas, com espaço menor do que uma folha A4 para viver, sem poder andar ou sequer esticar completamente suas asas. Já para porcas, 99% da produção nacional é feita em gaiolas, em que o animal não pode sequer dar uma volta ao redor do próprio corpo; só pode levantar-se e deitar-se.
Práticas dolorosas também são realizadas. Bovinos são marcados a ferro - ou seja, têm suas peles queimadas -, muitos são castrados e têm seus chifres queimados para que eles não cresçam. Os suínos também sofrem mutilações: suas caudas são cortadas, seus dentes são cortados ou lixados e seus testículos removidos. Galinhas poedeiras e outras aves têm seus bicos cortados por uma chapa quente de metal, quando eles ainda têm poucos dias de vida. Tudo isso, na grande maioria das vezes, é feito sem nenhum tipo de anestesia ou anestésico.
Pintinhos machos - que não têm utilidade na produção de ovos - são triturados vivos logo após o nascimento. Frangos de corte são geneticamente selecionados para crescer 70 vezes o seu tamanho inicial em pouco mais de um mês. É o animal criado para consumo que cresce mais rápido; tão rápido que muitos deles acabam perdendo a capacidade andar, pois suas pernas não aguentam o peso de seus corpos ou morrem prematuros, já que seus corações são pequenos e não conseguem oxigenar apropriadamente seus corpos. Vacas leiteiras também passaram por seleção genética e muitas vezes recebem hormônios para produzir leite, além disso a possibilidade de incidência de mastite - inflamação dolorosa das tetas - é alta. Os bezerros são separados das mães horas depois de nascer, causando estresse e tristeza nos animais.

No final, o destino é sempre o mesmo: o abate
Todos os animais de produção um dia serão enviados aos abatedouros, mesmo aqueles criados para produção de leite, ovos, lã, etc. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apenas no Brasil são abatidos cerca de 5,6 bilhões de animais por ano, contabilizando apenas bovinos, suínos e aves, ou seja, outros animais como peixes e outros não entram nessa conta.
Embora a indústria da carne insista em dizer que o abate é 'humanitário', ou seja, sem sofrimento, a realidade não é bem assim. Apesar dos programas de treinamento 'humanitário', que existem em alguns - não em todos - frigoríficos brasileiros, sabe-se que as falhas existem e junto com elas, a dor e o sofrimento dos animais. Dentro das estruturas dos frigoríficos, os animais podem estar conscientes no momento do abate (muitas vezes, até mesmo depois disso, ou seja, no momento em que são cortados para um processo chamado 'sangria'). Sendo assim, são capazes de perceber e sentir toda a dor envolvida nesse processo. Isso sem sombra de dúvidas é um sentimento horrível para eles. Sem contar os abates clandestinos, que são presentes no país, ou os abates que acontecem nas fazendas, onde os animais são mortos sem nenhum tipo de insensibilização, ou seja, estão plenamente conscientes. Muitas vezes, a forma de abate é extremamente bruta e dolorosa, por meio de marretadas ou facas enfiadas em suas gargantas ou corações.

Escolha a compaixão: participe do 'Desafio 21 Dias Sem Carne'
Para conscientizar as pessoas sobre a realidade do sofrimento animal na indústria da carne, a Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB) lançou no Brasil o 'Desafio 21 dias sem carne'. Celebridades como o cantor Junior Lima e a atleta olímpica Fernandinha já aceitaram participar. Se você gosta de animais e não quer ser responsável pelo sofrimento de muitos deles, faça parte desse movimento. Entre no site www.desafio21diassemcarne.com para saber como e compartilhe a ideia com seus amigos.
MEAT INDUSTRY
Fonte: http://www.brasilpost.com.br

Lúcifer vem ao mundo na Argentina

E não é que depois de ter feito um papa e terem sido vice-campeã da Copa do Mundo, a Argentina realmente quis “lacrar” com essa bagaça de humanidade toda, e abrigar o próprio “portador da luz”, segundo o nome de origem, claro.
Aconteceu um caso, um tanto quanto, curioso que deixou a Argentina perplexa, e em uma atmosfera similar à do apocalipse bíblico, levando o assunto “LuciferARG” ao topo dos Trending Topics mundiais do Twitter, nessa semana.
Antes que venham nos acusar de satanismo e nos atear na fogueira mais próxima, vamos lhes explicar o ocorrido lá pelas terras dos nossos “hermanos trevosos”, na íntegra. Se liga ai:
Na cidade de Santa Fé, na Argentina, ocorreu o nascimento e registro em cartório, de um recém nascido chamado Lúcifer. O registro foi devidamente acatado e aprovado, o que gerou uma verdadeira avalanche de comentários, críticas e ataques religiosos ao casal, e até mesmo à própria nação Argentina, por “permitirem” isso.
Entretanto, os pais do pequeno Lúcifer, debateram e se defenderam das severas críticas ao nome da criança, dizendo que o nome Lúcifer é lindo e que possui um significado poético fascinante, o de “portador da luz”. A maioria das críticas em si, foram relacionadas ao destino da criança, de ter que crescer exatamente com o nome do “anjo caído” e consequentemente, ser alvo de preconceito, piadinhas, estereotipaçõese coisas do gênero.
Por um lado que queira preservar a liberdade de expressão, ou pelo outro que leva as questões de religiosidade estritamente ao pé da letra e que acusam o garoto de ser simplesmente o “anti-cristo”, devemos nos lembrar, que menos mal, o menino poderá aos 18 anos, ter a opção de mudar o seu nome para o que ele bem entender, e que o mais prejudicado de tudo isso, sem sombra de dúvidas, é o próprio garoto. Tanto pela exposição que o caso anda tendo, quanto pela insanidade dos pais de não pensarem nas consequências de atribuir um nome desses a uma criança.
Fonte: http://www.ultracurioso.com.br

Para quê serve o teste de Rorschach, o teste psicológico das manchas?

Se formos definir a Psicologia de uma forma rápida e concisa, poderíamos afirmar que é a ciência que estuda e analisa o comportamento humano e as funções mentais do mesmo. E como ciência, a Psicologia se utiliza de vários meios para fazer com que o objeto de estudo – no caso um indivíduo – abra seu consciente e inconsciente para análise.
Um deles, provavelmente o mais famoso e complexo, é o chamado teste de Rorschach. Nome complicado, não é mesmo? Mas se você já assistiu ao filme Watchmen (Warner Bros., 2009) e se lembra do personagem Rorschach, então vai saber do que se trata. Mas para o que é e para quê serve o teste de Rorschach, o teste psicológico das manchas?
voui
O teste Rorschach é um teste psicológico projetivo composto por 10 manchas de tinta impressas em cartões (cinco em preto e branco, cinco em cores), criado em 1921 por Hermann Rorschac (daí o nome). A ideia básica é a seguinte: tais manchas de tinta são mostradas as pessoas uma a uma, e sua mente trabalha bastante para dar um significado a este estímulo, e tal atribuição de sentido é gerada pela mente.
Ao perguntar às pessoa o que elas veem na mancha de tinta, elas podem estar na verdade falando de si mesmas e como elas projetam um significado sobre o mundo verdadeiro. Ou seja, uma mancha que se parece muito com uma borboleta vai ser vista por pessoas em estados mais estáveis emocional e psicologicamente como uma borboleta. Já pessoas com personalidades violentas e agressivas poderão ver uma cadeira elétrica ou uma pessoa morta!
Depois que o paciente percorre as 10 manchas de tinta e diz ao psicólogo o que viu em cada uma, o profissional, então, leva a pessoa através de cada mancha de tinta novamente, pedindo que a pessoa que está fazendo o teste ajude a ver o que viu em sua respostas originais. É aí que o psicólogo vai entrar em algum detalhe para entender claramente o quê e quando uma pessoa viu vários aspectos em cada mancha de tinta.
A pontuação do teste da mancha de tinta de Rorschach é bastante complexa e exige treinamento e experiência prática e teórica na administração do teste. Somente os psicólogos são devidamente treinados e têm a experiência necessária para interpretar corretamente os resultados dos testes.
Portanto, qualquer genérico “teste da mancha de tinta” que você encontrar por aí na internet, um teste de rorschach que você faz o download ou administrada por outro profissional pode ser de pouca utilidade ou validade.
Fonte: http://www.ultracurioso.com.br e http://www.gargasz.info

Estudante chamada de 'demônia' é transferida após sofrer bullying virtual

Uma adolescente de 15 anos precisou travar uma batalha, ao lado da mãe, para conseguir uma transferência escolar após ser alvo de insultos constantes dos colegas de classe. A garota, que estuda em Itanhaém, no litoral de São Paulo, chegou a pensar em desistir de frequentar a escola após ver montagens utilizando fotos dela circulando pelas redes sociais.
A dona de casa Arlete Simões de Oliveira, de 36 anos, conta que a filha de 15 anos era maltratada pelos colegas de sala desde o ano passado e sempre chegava em casa chorando. A mãe da garota diz também que falou com a equipe técnica da escola, que não acreditava na versão da jovem, o que ajudou o bullying a aumentar dentro do colégio.
“Ela sofria de bullying. Xingavam a minha filha de demônio. Eles tinham muita raiva dela, xingavam de tudo quanto é nome. Ela chegava em casa chorando e falava que não ia mais para a escola. A escola falava para mim que era coisa da cabeça dela, que ela inventava e que precisava passar por um psicólogo”, conta.
Fundos da escola estadual Benedito Calixto (Foto:
Divulgação/Prefeitura de Itanhaém)
Após vários meses de reclamações, Arlete teve as provas que precisava para comprovar que a filha estava sendo constantemente humilhada. Alguns colegas de classe da menina utilizaram o Whatsapp para compartilhar uma montagem de fotos em que colocavam a menina caracterizada como uma ‘diabinha’.
“Chamavam ela de demônio. Montaram uma foto dela com um chifre, um rabo e um garfo na mão. Aquilo mexeu muito com a cabeça dela. Nem ela sabia o motivo de ser o foco da sala. Ela não conseguia ter amigos, era uma pessoa sozinha, ninguém queria fazer trabalho com ela. Eu dei todas as fotos para a delegada e fiz um Boletim de Ocorrência. Procurei todos os órgãos de Itanhaém”, diz a mãe.
Segundo Arlete, após o caso ficar mais conhecido na região e a diretora da escola ver as fotos do Whatsapp, a Secretaria de Educação do Estado de São Paulo autorizou que a menina mudasse de sala, o que aconteceu apenas em setembro.
Vítima de bullying não queria ir a aescola em
Itanhaém (Foto: Arquivo Pessoal)
Hoje, a mãe da estudante diz que não vê mais a filha chorar, que a jovem voltou a ter boas notas e está frequentando a escola normalmente. “Ela está tranquila. As notas dela melhoraram. Ela está melhorzinha. As pessoas ficam com medo de xingá-la. Eu acho um absurdo isso que aconteceu. Ela era parada e xingada na rua. Isso sempre vai ficar marcado para ela”, finaliza Arlete.
Em nota, a Diretoria Regional de Ensino de São Vicente esclarece que a direção da Escola Estadual Benedito Calixto acionou o professor-mediador – educador capacitado para criar ações e aproximar a comunidade das unidades em campanhas de prevenção à violência, racismo e demais formas de discriminação como o bullying. A direção também se reuniu com a responsável pela estudante, que foi transferida de sala, e se mantém à disposição dos familiares.
Ainda segundo a Secretaria de Educação do Estado, os casos de bullying, quando ocorrem dentro das unidades escolares, são analisados separadamente. As direções das escolas sempre acionam os responsáveis pelos alunos envolvidos para que contribuam nas questões disciplinares visando evitar que a situação volte a ocorrer.
Adolescente sofreu bullying virtual dentro de escola em Itanhaém, SP (Foto: Arquivo Pessoal)
Fonte: http://g1.globo.com

Menor se esconde em sofá, espera loja fechar e furta R$ 71 mil em celulares

Um menor de 16 anos se escondeu embaixo de um sofá de uma grande loja de varejo e esperou o estabelecimento fechar para furtar celulares e produtos eletrônicos avaliados em R$ 71 mil em Praia Grande, no litoral de São Paulo. O crime aconteceu na noite de sexta-feira (16), mas o jovem e um comparsa dele só foram capturados na manhã de sábado (17), no Centro de Santos.
Menor se escondeu debaixo de um dos sofás da
loja (Foto: G1)
Segundo a polícia, para não levantar suspeita o menor se passou por cliente e entrou normalmente na loja de móveis e eletrodomésticos que fica dentro do Litoral Plaza shopping, em Praia Grande. Antes do estabelecimento fechar, porém, ele arrumou um jeito de se esconder debaixo de um sofá que estava no mostruário.
“A loja estava muito cheia, porque sexta-feira é um dia de grande movimento e tudo aconteceu no período da noite. Infelizmente não vi nada e nem faço ideia de como ele conseguiu isso”, conta o gerente, que prefere não se identificar.
Como de praxe, logo após fechar a porta de entrada, o gerente adotou alguns procedimentos comuns de segurança, como revistar armários e outros locais, mas não notou nada de anormal. Mal sabia ele que um 'hóspede' inconveniente passaria a noite no local para assaltar a loja e sairia na manhã seguinte do esconderijo da mesma maneira como entrou, sem ser percebido.
Comparsa Carlos Magnum estava junto com
menor durante abordagem no Centro de Santos
(Foto: Divulgação/Polícia Militar)

De sacola na mão
O gerente só soube do assalto depois que recebeu a ligação de um policial militar que fazia patrulha no Centro de Santos. Um menor e um outro rapaz, identificado como Carlos Magnun Santos Gomes, de 26 anos, que estava junto com ele, foram abordados por policiais na rua do Comércio. Dentro do veículo onde a dupla estava, os PMs encontraram uma sacola das Casas Bahia com diversos aparelhos celulares, controles de vídeo game e outros aparelhos eletrônicos.
Celulares foram roubados durante a madrugada de sábado em Praia Grande (Foto: Divulgação/Polícia Militar)
Invisível
Questionado sobre a procedência dos produtos, o menor confessou que furtou o material de uma loja no shopping de Praia Grande. Ele disse aos policiais que se escondeu debaixo de um sofá do comércio e aproveitou a madrugada para retirar os objetos das caixas e separá-los em uma sacola. No dia seguinte, ele esperou o shopping e a loja abrirem para escapar sem chamar atenção.
“Depois que recebi a ligação da polícia entrei em contato com o pessoal da loja e, segundo eles, no local não tinha nenhum sinal de arrombamento, mas depois de olharem as caixas de celular da vitrine, foi comprovado que todas estavam sem os aparelhos”, comenta o gerente.
De acordo com a Polícia Civil, foram recuperados 60 celulares, dois tablets e um controle de vídeo-game avaliados em R$ 71 mil. Os eletrônicos foram devolvidos para o gerente e o caso registrado no 1º Distrito Policial de Santos. Carlos Magnun foi preso em flagrante o menor apreendido. Ambos seguem à disposição da Justiça.
Fonte: http://g1.globo.com

Supostas provas do Enem circulam na internet e Inep nega vazamento

Supostas provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) estão circulando pelas redes sociais neste domingo (18). Nas imagens, é possível ver as capas dos cadernos de prova azul e rosa, além de uma proposta de tema da redação que seria o deste ano. Procurado pelo G1, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) informou que as provas não são do Enem 2015.
O professor de matemática Marcello Menezes conta que recebeu as fotos de um aluno logo no começo da manhã. "Eu recebi logo cedo, um aluno me mandou. Acredito que seja falso, mas isso atrapalha. É muito estudante preocupado, pensando que se o tema está difícil, se a prova vem difícil. Acho que precisa apurar quem está fazendo isso, é terrorismo", reclama o professor.
Supostos cadernos de prova do Enem 2015 estão percorrendo as redes sociais (Foto: Marcello Menezes / Arquivo pessoal)
Enem 2015
O exame tem 7.746.118 inscritos e será aplicado nos dias 24 e 25 de outubro neste ano. Pela primeira vez, o Ministério da Educação não vai encaminhar a versão impressa pelos Correios. Outra novidade é que o candidato poderá salvar o cartão em seu computador no primeiro acesso para não ter de voltar ao sistema.
A recomendação do MEC é para que os candidatos visitem o local dias antes do Enem, para evitar imprevistos. Como o estado de Pernambuco não entrou no horário de verão, o fechamento dos portões nos dois dias de prova será às 12h.
Suposta proposta de redação também percorreu redes sociais (Foto: Marcello Menezes / Arquivo pessoal)
Fonte: http://g1.globo.com

16 outubro 2015

Essas são 6 coisas que te acontecem quando você não dorme direito

Você sendo uma pessoa com uma vida estudantil e/ou trabalhista em modo ativo ou não, garanto que é comum você se pegar estando acordado até altas horas da noite e tendo que acordar bastante cedo no outro dia. Certo? Isso parece praticamente ser intrínseco e fazer parte do cotidiano do internauta brasileiro.
Mas tirando os agouros, as reclamações e os avisos dos nossos pais, em dizer que dormir pouco faz bastante mal à saúde, você já parou para se questionar o que a ciência tem a dizer dos malefícios de dormir tão pouco? É o que iremos contar pra vocês agora mesmo:
Quem acaba ou por opção, ou por obrigação do cotidiano atribulado, simplesmente não dormindo as 6 à 8 horas diárias, recomendadas pelos médicos, acabam tendo ao longo do dia a sensação de que uma verdadeira manada de elefantes atropelou o seu corpo físico. O que de algum modo acaba influenciando em todos os tipos de atividades a serem executadas em uma rotina normal diária.

1- A nossa mente
Ela é a primeira afetada pelas poucas horas de sono. Nossa percepção das coisas se torna mais lenta, além de termos a capacidade de memória reduzida.

2- Os nossos olhos
Nossos globos oculares inteiros ficam com uma coloração mais avermelhada, além das pálpebras se posicionarem mais “caídas”, sem contar que há a formação de bolsas abaixo delas, as chamadas olheiras. Que acabam nos deixando como filhotes de pandas, após um noite mal dormida.

3- A pele
Sim, após as noites mal dormidas, nossa pele acaba evidenciando de modo mais latente as nossas rugas e marcas de expressão. E dessa, você provavelmente não sabia, né?

4- Sistema Imunológico
Sim, o sono, aliás, a ausência dele, influencia diretamente no seu Sistema Imunológico. O corpo humano, após noites mal dormidas frequentes, acabam se tornando mais propensos a terem infecções. Até mesmo para coisas simples, como um resfriado, pessoas que dormem menos que 6 horas por noite, possuem quatro vezes mais chances de serem diagnosticados.

5- Apetite
Com o sono atrasado e comprometido, o nosso metabolismo acaba se tornando bem mais lento, o que faz com que nós sentimos mais fome, o que automaticamente gera um consumo maior de calorias.

6- Humor
Segundo uma pesquisa criada pelo Centro Nacional de Biotecnologia da Informação, se você dorme menos de 5 horas ao longo do dia, você tem o dobro de chances de ficar mal humorado, abarrotado de stress e se enfurecer com mais facilidade.
Fonte: http://www.ultracurioso.com.br

Os 8 vilões mais poderosos da Marvel que ainda não apareceram nos filmes

Talvez a única coisa mais emocionante do que ver o seu super-herói favorito adaptado para as telonas é ver um supervilão poderoso tocando o terror. Vamos combinar, é dele o papel mais importante, já que normalmente são os vilões os responsáveis por mover a trama. O que é um herói sem seu maior adversário, afinal?
As longo das muitas adaptações cinematográficas da Marvel, alguns dos mais icônicos vilões da editora já foram levados para os filmes. Com a recente expansão do universo cinematográfico, no entanto, novos personagens precisam ser explorados. Há espaço para alguns vilões menos conhecidos, e também para aqueles que ainda não tiveram esta oportunidade. A seguir, confira alguns dos maiores vilões da Marvel que ainda não apareceram nas telonas, mas devem ser adaptados logo.

8 – Mystério
O Homem-Aranha vai ganhar uma nova versão nos cinemas, e já é hora de inovar, talvez trazendo um grande vilão que ainda não foi introduzido nos filmes. Mystério é um dos inimigos mais místicos do universo Marvel, e também um dos mais poderosos. As possibilidades seriam infinitas, e ele até poderia fazer ligação com os outros filmes do estúdio, como o Doutor Estranho. Como um mestre de ilusão e magia, Mystério usa seus poderes para confundir a mente de seus inimigos.

7 – Mojo
Este personagem foi concebido para representar os executivos da televisão americana. Ele é uma criatura disforme, cruel e horrenda, que só foi capaz de permanecer móvel graças à utilização de tecnologia alienígena avançada. Mojo governa o Mojoverse por meio de uma espécie de reality show intergaláctico que coloca escravos uns contra os outros em jogos mortais. Seu show foi um sucesso com a adição de alguns X-Menentre as equipes. Apenas imagine isto nos cinemas. Seria quase um Jogos Vorazes,com a adição de mutantes!

6 – Sr. Sinistro
No universo dos X-Men, a maldade atende por um nome. O Sr. Sinistro surgiu como um geneticista do século XIX chamado Nathaniel Essex que ficou obcecado com o conceito de evolução e mutação humana. Ao entrar em contato com o mutante semideus Apocalipse, Essex recebeu habilidades mutantes supremas, além deimortalidade. Desde então, ele usa seus poderes para promover sua pesquisa e produzir o mutante perfeito com base nos genes de Scott Summers e Jean Grey. Sr. Sinistro é… no mínimo, bem sinistro. Embora ele se encaixasse perfeitamente no próximo filme dos mutantes (X-Men: Apocalipse), o personagem não foi confirmado.

5 – Treinador
Embora seja mais descrito como um mercenário, o Treinador é mais conhecido pela sua maldade. O vilão trabalha como instrutor de combate para uma grande variedade de vilões, é ele próprio é um inimigo bastante basante recorrente dos Vingadores, além de já ter enfrentado muitos outros heróis. A memória fotográfica do Treinador em conjunto com seus sentidos altamente aguçados permitiram-lhe imitar qualquer estilo de luta de seus adversários, tornando-o um dos combates mais eficazes do Universo Marvel. Além de várias organizações criminosas, o vilão já foi associado tanto ao governo dos Estados Unidos quanto à SHIELD, e poderia se encaixar muito bem em um filme do Capitão América ou mesmo dos Vingadores.

4 – Dormammu
Com a chegada da Fase Três do Universo Compartilhado Marvel, muitos personagens místicos devem ser inseridos nos filmes. Dormammu é um ser infinitamente poderoso que tem sido descrito como “algo pior que o demônio“. Ele é um vilão bastante regular do Doutor Estranho e reside em um reino cósmico fora do universo da Marvel normal. Sua forma física é esta que você confere na imagem: coberto por chamas e aterrorizante. Rumores indicam que ele pode aparecer no filme do Doutor Estranho, interpretado por ninguém menos que Mads Mikkelsen, o Hannibal.

3 – Fin Fang Foom
Ignore o nome cômico. Fin Fang Foom é um dragão antigo que existia antes da humanidade, e é capaz de se comunicar telepaticamente com uma variedade de formas de vida. Um easter-egg do vilão já foi observado no primeiro filme de Homem de Ferro, mas um personagem grandioso como ele certamente merece mais. Fin Fang Foom é frequentemente associado ao Mandarim, que também deve ser retratado em breve – desconsiderando a versão falsa do terceiro filme de Tony Stark.

2 – Carnificina
Carnificina é como um chefão final de um jogo de vídeo-game. Ele pode ser o adversário mais formidável que o Homem-Aranha vai enfrentar nos cinemas, bem como o mais aterrorizante. Sua origem consiste no serial killer Cletus Kasady em contato com o simbionte Venom. Com suas habilidades aprimoradas, Cletus espalha sua ira por toda Nova York, matando e mutilando qualquer um que cruze seu caminho.

1 – Os Skrulls
Os Skrulls são uma raça extraterrestre que são creditadas pela criação do Cubo Cósmico, que foi chamado de Tesseract no Universo Compartilhado da Marvel. Além de serem incrivelmente astutos, os Skrulls também são muito avançados quando se trata de tecnologia e viagens cósmicas. Eles estão em contato constante com oQuarteto Fantástico e os Guardiões da Galáxia. James Gunn recentemente comentou sobre a inclusão dos Skrulls em Guardiões da Galáxia, afirmando que certas leis de direitos autorais o impediram de usá-los. Seria mais provável, portanto, aparecem em um futuro filme da equipe em família.
Fonte: http://www.ultracurioso.com.br

'Por ter nome de homem', mulher não consegue fazer exames ginecológicos

“É um descaso e eu fiquei indignada. Não pude fazer os exames ginecológicos, porque dizem que tenho nome de homem”, fala Ivaney Lopes Cardoso, moradora de Montes Claros (MG). A mulher de 46 anos, que tem plano de saúde da Unimed, foi até um laboratório conveniado com um pedido para a realização de procedimentos que mostram os níveis de hormônio, e poderão confirmar também a suspeita de gravidez. Mas ela não conseguiu fazer nenhum deles.
“Pago o plano de saúde e quando preciso não consigo usar, fiquei 15 horas sem comer e não fiz os meus exames por causa de uma justificativa absurda, tenho a carteirinha, mostrei a identidade, mesmo assim continuaram dizendo que meu nome é masculino”, desabafa a cozinheira, que registrou um boletim de ocorrência e pretende acionar a Justiça.
Ivaney questiona a justificativa de “ter nome de homem”, já que ela fez exames de sangue no laboratório em fevereiro deste ano, utilizando os mesmos documentos.
Após sete filhos, Ivaney foi a primeira filha de Alice
(Foto: Michelly Oda / G1)

Escolha do nome
“Quando eu estava grávida, pensei que se fosse menina, ia chamar Maria, nome da minha sogra que não conheci, porque quando casei ela já tinha falecido. Mas eu vi uma menininha chamada Ivanirde, achei muito bonito, porém não queria colocar o mesmo nome, por isto escolhi Ivaney e achei lindo”, conta Alice Lopes Cardoso, de 85 anos, mãe de Ivaney.
Antes de Ivaney nascer, os pais dela tinham oito filhos. “Eu sonhava em ter uma filha, mas nunca ia imaginar que esta confusão poderia acontecer por causa do nome dela”, diz a aposentada. 
Apesar do problema enfrentado no laboratório, a cozinheira é enfática ao dizer que não pretende trocar de nome, o que é permitido por Lei. “A minha mãe escolheu Ivaney com todo amor, ela acha lindo e eu também, não vou mudar de nome. Era o sonho dela e do meu pai de ter uma filha, quando eu nasci teve até foguete.”
Chefe de cartório diz que não é comum troca de
nomes por causa de constrangimento
(Foto: Michelly Oda / G1)

Ivaneis e Ivaneys em Montes Claros
Em Montes Claros, há 14 pessoas registradas como Ivaney e Ivanei, apenas uma delas é mulher. Cláudio Teixeira chefe do Cartório de Registro Civil explica que alguns nomes geram confusão e cita Sidnei e Deusdete como alguns deles.
Cláudio também afirma que são pedidos por ano, dois ou no máximo três pedidos por troca de nome por causa de casos como de Ivaney.
“É algo simples de fazer, falta um pouco de conhecimento por parte das pessoas, não precisa de ter nem advogado, basta ir ao fórum e ingressar com um pedido de mudança, alegando que o nome está causando constrangimento”, explica o chefe de cartório.
Exames foram pedidos por ginecologista de Ivaney  (Foto: Michelly Oda / G1)
O que diz o laboratório
A médica responsável pelo laboratório, onde Ivaney tentou fazer o exame, explica que a Unimed não autorizou a realização do procedimento.
“Todo exame que é realizado através de plano de saúde precisa de uma autorização. No caso desta paciente, foi pedido e negada esta autorização pelo sistema. Todas as vezes orientamos para que procurem pelo convênio de origem para saber o que ocorreu, algumas vezes conseguimos resolver no laboratório. No caso dela, a justificativa dada foi porque o cadastro está como masculino e os exames que ela veio fazer são para dosar hormônios femininos”, fala Christine Mendes.

O que diz a Unimed
Em nota, a Unimed afirmou que o cadastro de Ivaney foi corrigido e que ela já pode fazer os exames ginecológicos.
Fonte: http://g1.globo.com

Morre terceiro bebê atirado de janela em Nova York em três meses

Uma menina de seis meses de idade morreu nesta quinta-feira (15) ao ser jogada da janela de um prédio de apartamentos em Nova York e a mãe da criança foi presa, na terceira tragédia do tipo em três meses, afirmou a polícia.
Os policiais responderam a um chamado de emergência por volta das 14 horas (horário local) e encontraram a menina inconsciente na calçada da Avenida Tiebout, no Bronx. Ela foi levada ao Hospital St. Barnabas, onde foi declarada morta, disse a polícia.
A mãe, de 27 anos, foi detida, mas não foi oficialmente acusada, de acordo com o porta-voz do Departamento de Polícia de Nova York, detetive Brian Sessa.
O incidente ocorreu após a morte, no mês passado, de um bebê recém-nascido jogado de uma janela do sétimo andar de outro prédio no Bronx. A mãe foi presa por assassinato.
Um mês antes, um menino de um mês de vida foi arremessado de uma janela do quarto andar de um edifício de apartamentos do Queens, e a mãe também foi presa.
Policiais são vistos em frente a um prédio no bairro do Bronx, em Nova York, de onde uma menina de seis meses foi atirada da janela, na quinta (15) (Foto: AP Photo/Mary Altaffer)
Fonte: http://g1.globo.com

Jovem com maior pé do mundo diz que sofreu com bullying

O venezuelano Jeison Orlando Rodríguez, de 20 anos, é considerado pelo Guinness, o livro dos recordes, o detentor do maior pé humano do mundo. Seu pé direito tem 40,1 cm de comprimento – um pouco maior que o esquerdo, que mede 39,6 centímetros. Ele calça tamanho 26 pelo padrão americano, o que equivale ao 57 no Brasil.
"Desde que tenho 14 anos, faziam meus sapatos de material usado para fazer calças, o que só durava duas ou três semanas. Então às vezes andava descalço. Esse é o tipo de coisa pela qual passava. Olhava para as pessoas e dizia 'como gostaria de ter um par de sapatos'", disse Rodríguez à agência Reuters.
"Costumava voltar da escola depois de caçoarem de mim e sofria muita discriminação. Costumavam dizer coisas e me bater. Eu vinha para casa traumatizado. E gosto de estudar. Ainda gosto, mas quando ia para as aulas queria que minha mãe ficasse porque sabia que na hora do recreio eles me tratariam como um brinquedo", afirmou o jovem.

Desenvolvimento
Rodríguez teve um crescimento normal até os 10 anos, quando seu desenvolvimento disparou.
Atualmente, ele mede 2,20 metros de altura. Como sofria de dores de cabeça e nas juntas, sua família buscou ajuda médica e descobriu-se que seu problema era uma hiperatividade da glândula pituitária.
O caso de Rodríguez foi apresentado ao Guinness por um especialista em sapatos alemão, Georg Wessels, que viajou até Maracay, onde vive o jovem, e em seguida informou a medição dos pés do rapaz ao livro dos recordes.
Venezuelano Jeison Orlando Rodríguez tem maior pé (40,1 centímetros (Foto: ReproduçãoGuinnesss)
Fonte: http://g1.globo.com

Tartaruga é encontrada morta com baiacu na garganta, em praia de Olinda

Uma tartaruga marinha foi encontrada morta na orla de Olinda, na tarde desta quinta-feira (15). Segundo testemunhas, um biólogo esteve no local e constatou que a morte do animal ocorreu após ele engolir um baiacu espinhoso, espécie venenosa, que ficou preso na garganta. Ele fez um corte e retirou o peixe inteiro.
A tartaruga foi retirada da orla do município pela companhia de limpeza. Foram necessárias três pessoas para conseguir movê-la e colocar na caçamba do caminhão.
Foi preciso três homens para conseguir mover a tartaruga em Olinda (Foto: Edison Silva / TV Globo)
Baiacu foi retirado da garganta de tartaruga encontrada morta em Olinda (Foto: Edison Silva / TV Globo)
Fonte: http://g1.globo.com

Preso do semiaberto no DF passa em 5 faculdades e é impedido de estudar

Aprovado com bolsas de estudo em cinco faculdades do Distrito Federal, um interno do Centro de Progressão Penitenciária (CPP) teve o direito de frequentar as aulas negado pela Justiça por não ter cumprido tempo suficiente de pena. Condenado a 72 anos de prisão por roubo de carros e formação de quadrilha, o homem, que não quer se identificar, já cumpriu 15 anos de prisão – 13 dos quais em regime fechado. Durante esse período, ele estudou por conta própria e conseguiu concluir os ensinos fundamental e médio dentro da Papuda.
"Tinha uma dificuldade muito grande de matemática. O restante, as outras matérias, no livro tem exemplo de como fazer. Ia aprendendo, mesmo sem professor. Quando não tinha como solucionar mesmo, tinha que procurar ajuda com outra pessoa com um grau de instrução maior que o meu"
Interno do CPP,
aprovado em 5 faculdades
Interno mostra documentos que comprovam aprovações e matrículas em faculdades do DF (Foto: Isabella Formiga/G1)
Embora não tenha autorização para frequentar a faculdade, o interno deixa o CPP todas as manhãs para ir ao trabalho, na área central de Brasília. Ele atua como auxiliar administrativo em uma secretaria que tem convênio com a Fundação de Amparo ao Trabalhador Preso (Funap). Às 18h30, volta para o galpão no SIA. Tem um hora de almoço e ganha pouco menos que um salário mínimo.
"Se saio todos os dias para trabalhar, qual o motivo para não ter direito a estudar?", questiona o preso, que pretende recorrer à Justiça para obter autorização para frequentar as aulas de direito em uma faculdade no Plano Piloto. "Não entendo como um Estado que diz priorizar a ressocialização nega ao interno que está neste processo o direito de estudar."
Pela lei, o preso reincidente em regime semiaberto tem que cumprir um quarto da pena para ter direito a saídas temporárias. O benefício só poderia ser concedido a ele daqui a dois anos. A esperança do interno, no entanto, ressurgiu depois que soube do caso do acreano Adriano Almeida, que, preso do regime fechado, foi autorizado pela Justiça a cursar agronomia na Universidade Federal do Acre (Ufac).
O Tribunal de Justiça informou que a progressão para um regime menos rigoroso depende do preenchimento de requisitos objetivos e subjetivos. A avaliação do juiz sobre o requisito subjetivo, que consiste de bom comportamento carcerário, só pode ser feita se os requisitos objetivos - tempo de pena cumprido - tiverem sido preenchidos.

Estudos
Das aprovações do preso nas faculdades, quatro foram por meio do Enem. A quinta foi em um processo seletivo entre cem presos, em que ele obteve a segunda maior nota. A esperança do interno é utilizar o tempo que resta na cadeia para conseguir uma formação profissional.
O interno cursava o 7º ano quando foi preso, aos 19 anos. Na Papuda, nunca obteve autorização para frequentar a escola do complexo, então estudou por conta própria. Para concluir os ensinos fundamental e médio, usava livros que eram levados por familiares e trocados entre os internos. As dúvidas eram tiradas durante os banhos de sol e as visitas da irmã e da tia, que são professoras.
Quando os familiares não estavam disponíveis, ele pedia ajuda de outros presos. "Tinha uma dificuldade muito grande em matemática", diz. "O restante, as outras matérias, no livro tem exemplo de como fazer. Ia aprendendo, mesmo sem professor. Quando não tinha como solucionar mesmo, tinha que procurar ajuda com outra pessoa com um grau de instrução maior que o meu."
A Secretaria de Justiça informou que a Funap tem oito escolas com cerca de mil internos estudando e 390 na fila de espera. Com o estudo, os presos têm a remição de pena – a cada 12 horas de estudo, é descontado um dia de pena. A pasta diz que nenhum direito é negado aos sentenciados que buscam estudar no complexo e que a seleção dos internos é feita de acordo com a pena e com o local em que o preso está detido.

Aprovações e negativas
Em 2010, o interno conseguiu o certificado de conclusão do ensino fundamental e, em 2012, fez o Enem dentro do CPP para concluir o ensino médio. Em agosto de 2013, foi aprovado em gestão de RH no Iesb de Ceilândia com bolsa parcial pelo ProUni. "Fiz a inscrição, paguei as taxas e fiz o pedido na VEP [Vara de Execuções Penais]. Foi a primeira vez que foi negada", diz. "Voltei lá, tranquei a matrícula. Desanimei um pouco, esperei e decidi tentar de novo."
Decisão de juiz da Vara de Execuções Penais (Foto: Reprodução)
No começo de 2014, com uma nota melhor no Enem, foi aprovado novamente pelo ProUni para educação física na Uniplan e na Faculdade Mauá de Brasília. Novamente se matriculou e fez o pedido de estudo externo para a VEP. "Foi negado no meio do ano pelo mesmo motivo. Desanimei mais um pouco, mas pensei: 'Não vou desistir. Vou tentar até verem que eu realmente quero estudar, mudar de vida.'"
No segundo semestre de 2014, ele obteve a quarta aprovação para cursar gestão de RH na Anhanguera, com bolsa integral. Antes de pedir autorização da VEP para ir às aulas, foi aprovado em uma faculdade na Asa Sul. "Ganhei uma bolsa integral para cursar direito. Esse era o meu sonho, e me animou ainda mais por ser em uma instituição renomada, com tantos doutores em direito."

"Tinha 19 anos quando fui preso. Ainda criança, perdi pai e mãe por problemas cardíacos em um intervalo de dois anos, o que desestruturou nossa família. Vivi só por muito tempo. Era meio largado, meio rebelde. Não justifica o que fiz, claro, mas acabei me envolvendo com uma rapaziada, alguns faziam 'pega' com os carros, outros desmontavam, e acabei preso por conta disso. Sabia que estava fazendo coisa errada. E pago o preço há 15 anos."
Interno do CPP,
aprovado em 5 faculdades
Sem advogado particular, ele conta com a ajuda de profissionais do Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) do UniCeub, que atua como defensoria pública da VEP. "Eles entraram com recurso no TJDFT para ver se conseguiam em uma instância superior essa autorização", diz. O recurso foi novamente negado.
O interno diz que vai entrar com outro pedido de estudo externo, a quarta tentativa. O documento será protocolado na VEP na próxima semana. Ele também pretende realizar o Enem de novo este ano, quando a prova for aplicada no CPP.

Crimes
Para o preso, a pena de 72 anos pelo roubo de carros foi injusta, já que foi condenado individualmente em dez processos: nove por roubo e um por formação de quadrilha. "Tinha 19 anos quando fui preso. Ainda criança, perdi pai e mãe por problemas cardíacos em um intervalo de dois anos, o que desestruturou nossa família. Vivi só por muito tempo. Era meio largado, meio rebelde. Não justifica o que fiz, claro, mas acabei me envolvendo com uma rapaziada, alguns faziam 'pega' com os carros, outros desmontavam, e acabei preso por conta disso. Sabia que estava fazendo coisa errada. E pago o preço há 15 anos."
O interno conta que, assim como muitos presos, se interessou pela área de direito ao estudar o próprio caso. Agora, sonha em advogar. "Quero atuar como advogado criminal, prestar meus serviços à sociedade e dar assistência a quem precisa, seja para quem está fora ou dentro do sistema penitenciário, afinal, é direito de todos. Não é para ser super-herói, mas a gente vê muitas coisas lá dentro que não era para ter acontecido, como advogado que cobra pagamento por uma defesa que ele não presta."
A advogada e professora de direito penal Cristiana Damascena acredita que, embora o juiz esteja se baseando na lei, há chances de o interno obter o benefício. "Existe um critério muito importante a ser observado pelo juiz. Ele está sendo legalista, cumprindo o que está escrito na norma, que é dever dele, mas também acredito que existe o dever social da própria pena e do próprio juiz", diz.
"Em tese, as pessoas têm a visão de que poderiam se ressocializar, e uma forma é dar acesso à educação. O juiz, usando esse tipo de argumento, teria condição de dizer que a pena serve para prevenir, mas também para ressocializar", diz. "Existe o argumento, em outros ramos do direito, calcado em princípios como a própria natureza da pena, para dizer 'vou dar o direito da pessoa estudar, porque não tem meios mais adequados para reinserir a pessoa do que o próprio estudo, mais do que o trabalho'."
Fonte: http://g1.globo.com

14 outubro 2015

4 filmes infantis baseados em histórias para adultos

Por muitas décadas, Hollywood – a terra da eterna magia do cinema – tem sido consistentemente impulsionada por  filmes de animação de alta qualidade que apresentam histórias fantásticas e personagens adoráveis que fazem crianças e adultos amarem. O que você talvez não saiba é que a maioria desses filmes animados não são estritamente obras originais e são, na verdade, baseados em histórias clássicas bem antigas.Além do mais, as histórias originais em que esses filmes infantis são baseados não chegam a ter o tradicional final “todos viveram felizes para sempre”. Enquanto muitas dessas histórias clássicas tendem a se concentrar em temas profundos e por vezes desagradáveis, como a morte, violação, canibalismo e tortura, a maioria das adaptações animadas é diluída drasticamente, alterada, e totalmente reescrito. Afinal, quem não gosta de um bom final feliz?
Apresentamos, aqui no Ultra Curioso, 10 filmes infantis baseados em histórias para adultos, os quais tiveram a história quase toda reinventada a fim de não traumatizar as crianças. Se você já viu algum destes filmes, provavelmente deve ficar longe das histórias originais, se você quiser que sua infância para permaneça intacta!
poc

1. O Cão e a Raposa
O Cão e a Raposa é um conto clássico da Disney em que um cãozinho e uma raposa se conhecem e passam a ser grandes amigos. Porém, logo descobrem que existem vários obstáculos naturais para a amizade deles, uma vez que, pela lei da natureza, os dois deveriam ser inimigos – predador e presa. Mas enfim, o filme termina com um final esplêndido e feliz, onde todos vivem, as amizades são mantidas, todos os rancores são descartados, e raposas bebê estão a caminho.
Entretanto, a história original de Daniel P. Mannix não foi tão feliz. Longe disso, na verdade. No conto original, todos os desejos de amizade são descartados, quando Tod (a raposa) provoca acidentalmente a morte de outro cão. Copper (o cão) se torna um assassino sanguinário que teima em ajudar seu mestre se vingar, por causa da morte de seu cão de caça.
Depois de matar a esposa e filhos de Tod, Copper persegue Tod implacavelmente até a raposa morrer de exaustão. Daí então, Copper ajuda seu dono a matar Tod, e o mesmo é então recompensado por seu mestre com uma bala na cabeça.

2. Pocahontas
Pocahontas foi um filme bastante reflexivo que usou acontecimentos reais, a fim de explorar o racismo, as relações entre tribos indígenas e estrangeiros, e como o poder do amor supera todas as adversidades. A versão da Disney desses eventos é definitivamente mais otimista e esperançosa do que a versão original.
Enquanto o filme retrata Pocahontas como uma jovem mulher graciosa, na realidade, ela era uma garota rude de  cerca de 12 anos de idade quando conheceu John Smith em seus 30 anos. Ao contrário do seu romance no desenho, Pocahontas e Smith não tinha um relacionamento, embora haja relatos de que Smith a estuprou e engravidou. Ao chegar a Londres, Pocahontas foi sequestrada, convertida ao cristianismo, e se casou com outro cara antes de morrer em seus precoces 20 anos.

3. A Pequena Sereia
O belo filme da Disney A Pequena Sereia conta a história de Ariel, uma sereia que se apaixona por um humano e faz mundos e fundos para ficar com ele (incluindo abdicar de suas barbatanas!). Enquanto o filme tem um final feliz mesmo depois de todas as dificuldades de Ariel, o conto original de Hans Christian Andersen nos leva a rumo incrivelmente deprimente.
Na história original, quando Ariel dá os primeiros passos em terra com suas novas pernas, ela sofre uma dor insuportável e começa a sangrar. O príncipe, pasme, acha isso divertido e sadicamente ordena a Ariel que dance para ele, o que ela faz.
Ariel, em seguida, descobre que o príncipe planeja se casar com outra mulher, e a menos que ela convença o príncipe a se casar com ela, a sereia (agora humana) se dissipará em espuma. Incapaz de convencer o príncipe que ela é a melhor esposa, Ariel é condenada a 300 anos de um espumoso purgatório.

4. Mogli – O Menino Lobo
O clássico da Disney Mogli – O Menino Lobo, conta a história de Mogli, um menino órfão que foi criado por um grupo de animais simpáticos e educados nas selvas indianas. Mogli então resiste a todas as tentativas de reinserção no mundo humano até que ele avista uma jovem perto de uma vila humana. Quase imediatamente, Mogli decide que talvez a civilização não é tão ruim e  decide deixar a selva para sempre.
A história original não é lá tão animadora. No conto adulto, Mogli vai para a civilização apenas para “comer o pão que o diabo amassou”. Após sofrer muito nas mãos de sua família adotiva, e ser humilhado por todos da vila que, na teoria, deveria acolhê-lo, Mogli resolve voltar para a selva e pede ajuda para sua família animal.
Bem, o jeito de vingar Mogli é no mínimo…radical: os animais da florestas se reúnem e devastam a vila, matando todos por lá.
Fonte: http://www.ultracurioso.com.br

Os piores escândalos da indústria de alimentos

Alimentos industrializados costumam dividir muitas opiniões. Uns dizem que eles são benéficos para a saúde por serem ‘melhorados’ pela ciência, outros são totalmente contra por serem alterados e adicionados com substâncias consideradas nocivas para o ser humano.
Porém, uma coisa não se pode negar: tais alimentos estão longe de ser 100% confiáveis. Vários foram os casos escandalosos que vieram a público denunciando alimentos que foram produzidos de forma totalmente nojenta ou nociva, totalmente condenados pela vigilância sanitária.
De dentes dentro de linguiças a bactérias de salmonela em achocolatados, veja aqui a lista com os 6 piores escândalos da indústria de alimentos e pense bem antes de considerar ‘seguros e limpos’ alguns alimentos que você adora.

1. Carne radioativa no Japão
No ano de 2011, cerca de dez províncias japonesas, incluindo Tóquio, receberam carne produzida na região de Fukushima, o lugar onde se situava a usina nuclear atingida por um terremoto em 11 de março de 2011. O governo verificou que o produto estava contaminado por césio e apresentava um alto índice de radiação (quatro vezes maior do que o permitido por lei).

2. Bife de cavalo

Desde janeiro de 2013 o Reino Unido e a Irlanda são investigados por usarem ‘carne de cavalo’ para fazer hambúrguer. As denúncias são de hambúrgueres e outros alimentos congelados com carne de cavalo que estavam sendo vendidos como carne de boi. O problema não é só esse: a fenilbutazona, usada na criação de equinos, pode causar até úlcera gástrica.

3. Salcisha com dentes
Já imaginou dar uma mordida na salsicha de um hotdog e achar um dente humano? Foi o que aconteceu no Reino Unido em 2013. A britânica Lauren Gooch, de 21 anos, achou um dente humano dentro de uma linguiça de hotdog comprada na rede de supermercados Tesco. O noivo da moça exigiu uma retratação da rede da Tesco, e ganhou um vale-compra de 25 libras (R$ 78).

4. Caco de vidro no frango assado
Em 2009 na Suécia, consumidores encontraram cacos de vidro, cujo tamanho ia de 1 mm a até 1 cm, em aves congeladas da marca Kronfagel. O caso foi parar na polícia e, por precaução, a empresa sueca teve de retirar do mercado mais de 900 toneladas do produto.

5. Salmonela no Nesquik
Isso é o que pode se chamar de “levar coelho por lebre”. No ano de 2012, nos Estados Unidos, descobriu-se que um lote do achocolatado da marca Nesquik veio contaminado com bactérias de salmonela. Elas estariam presentes no carbonato de cálcio que a fornecedora Omya vendeu à Nestlé. A multinacional suíça logo anunciou um recall do produto e não houve registro de pessoas contaminadas.

6. “Gosma rosa”
O subproduto das sobras da carne bovina gordurosa tem o apelido de ‘gosma rosa’. Lavadas com hidróxido de amônia. Uma lei de 2001 permitiu que a nhaca, antes restrita a rações animais, pudesse ser usada também em alimentos humanos. Em 2011, o chef britânico Jamie Oliver denunciou o uso do “aditivo” em hambúrgueres nas escolas dos EUA.
Fonte: http://www.ultracurioso.com.br
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...