27 maio 2016

Para me livrar da dor, escrevi

Ostra feliz não faz pérola. A ostra, para fazer uma pérola, precisa ter dentro de si um grão de areia que a faça sofrer. Sofrendo, a ostra diz para si mesmo: ‘Preciso envolver essa areia pontuda que me machuca com uma esfera lisa que lhe tire as pontas…’ Ostras felizes não fazem pérolas… Pessoas felizes não sentem a necessidade de criar. O ato criador, seja na ciência ou na arte, surge sempre de uma dor. Não é preciso que seja uma dor doída…Por vezes a dor aparece como aquela coceira que tem o nome de curiosidade. Este livro está cheio de areias pontudas que me machucaram. Para me livrar da dor, escrevi.
Rubem Alves

Após 24 anos, médicos retiram tumor de tamanho de melão de pescoço de paciente

Médicos na Inglaterra retiraram um tumor do tamanho de um melão do pescoço de um paciente.
Ian Crow, de Ashby, no norte do país, disse que viveu 24 anos com o inchaço nas glândulas salivares até "se encher".
Para o aposentado, de 66 anos, o tumor benigno - que vinha "crescendo aos poucos" desde 1992 até atingir 1,2 kg - tinha se tornado parte dele.
"Nunca doeu. Eu conseguia dormir normalmente. As únicas vezes que me incomodou foi durante o verão", disse.
"No fim, me enchi e decidi removê-lo. Quando cheguei na idade da aposentadoria, achei que era hora."
Ian Crow disse que tumor nunca o incomodou, mas no fim "se encheu" dele (Foto: Northern Lincolnshire/ Goole NHS Trust)
Crow se recusava a se consultar com os médicos até o ano passado. À época em que o inchaço apareceu, tinha acabado de começar em um emprego novo na indústria de frango e não queria faltar ao trabalho.
A operação de retirada durou duas horas e correu sem sobressaltos - embora o tamanho do tumor tenha colocado um "desafio" para os médicos, disse o cirurgião Ganapathy Dhanasekar.
"O tumor é o que chamamos um adenoma pleomórfico, que é um tumor benigno na glândula parótida", explicou.
A esposa de Ian, Lillian, disse que estava "feliz" com o fim do tumor.
"Começou a me irritar, principalmente depois que cresceu. Era impossível abraçar (o marido) porque (o tumor) era enorme", disse a mulher.
"Na rua as pessoas paravam para ficar olhando e isso me incomodava muito."
Ian Crow disse que tumor nunca o incomodou, mas no fim "se encheu" dele  (Foto: Northern Lincolnshire/ Goole NHS Trust)
Fonte: BBC Brasil e G1

Diário revela que americana perdida em trilha nos EUA sobreviveu por 26 dias antes de morrer

Geraldine Largay tinha 66 anos quando se perdeu em uma trilha na costa leste dos Estados Unidos, em julho de 2013. Ela montou um acampamento nas proximidades de onde tinha se perdido e tentou enviar mensagens de texto para o marido, que não chegaram a ser transmitidas. Largay não resistiu às condições extremas, e seu corpo acabou sendo encontrado no ano passado.
Agora, autoridades do Estado americano de Maine revelaram que ela sobreviveu por 26 dias enquanto esteve perdida na caminhada pelos Apalaches, manteve um diário e deixou mensagens para a família antes de morrer, resignada.
"Quando você encontrar meu corpo, por favor ligue para o meu marido George (...) e minha filha Kerry", escreveu Largay em seu diário, segundo a Associated Press.
"Será uma gentileza de sua parte informar para eles que estou morta e onde vocês me encontraram - não importa quantos anos se passem."
Os restos mortais de Largay foram encontrados apenas dois anos depois de seu desaparecimento, em outubro de 2015.
Documentos
As autoridades do Maine liberaram o acesso a mais de 1,5 mil páginas de documentos relacionados às buscas pela excursionista.
Fazer a trilha dos Apalaches, que passa por vários Estados americanos, estava na lista de viagens dos sonhos de Largay e ela começou o caminho junto com um companheiro de viagem que teve que abandonar o percurso devido a uma emergência na família.
Entre os objetos encontrados estava o celular de Largay, onde foram recuperadas as mensagens que ela tentou enviar ao marido, sem sucesso. Uma das mensagens não enviadas, de 22 de julho de 2013, dizia: "Estou com problemas". Naquele dia, ela havia se desviado de sua trilha.
Ela tentou ir para um terreno mais alto para conseguir sinal no celular e enviar as mensagens, mas o telefone não funcionou.
"Saí da trilha para ir ao banheiro, (estou) perdida agora", continuou, pedindo ao marido que entrasse em contato com as autoridades para que iniciassem as buscas por ela. Ela explicava que estava em algum lugar ao norte de uma estrada perto de um bosque.
No dia seguinte, ela novamente tentou pedir ajuda.
"Perdi a trilha desde ontem, saí três ou quatro milhas (entre quatro e seis quilômetros). Chame a polícia, por favor."
George Largay entrou em contato com a polícia no dia 24 de julho de 2013, dando início a uma grande operação de buscas pela mulher.
 Geraldine Largay sonhava em completar a trilha na costa leste dos Estados Unidos (Foto: Foto de arquivo pessoal cedida pelas autoridades do Maine)
Buscas
Os documentos liberados pelas autoridades indicam que as agências do Estado do Maine entrevistaram várias testemunhas e fizeram várias operações de busca durante mais de dois anos, informa a AP.
Entre o dia em que constatou que estava perdida e o dia em que morreu, Largay passou 26 dias na floresta. O último registro em seu diário foi feito no dia 18 de agosto de 2013.
Em outubro de 2015, os restos da americana foram encontrados por um empreiteiro que fazia obras na floresta, localizada em um terreno que pertence à Marinha dos Estados Unidos.
As equipes de resgate enviadas ao local descobriram que a barraca de Largay estava caída e o corpo dela estava dentro. Análises concluíram que ela morreu de inanição e exposição a elementos da natureza.
Entre os objetos encontrados com a americana no acampamento estavam escova de dentes, talco, estojo de primeiros socorros, cordas e cabos, uma caneta, lápis, mapas e papel.
Fonte: BBC Brasil e G1

'El Chapo', traficante mexicano, quer cobrar Netflix e Univisión por série

O traficante mexicano Joaquín "El Chapo" Guzmán, prestes a ser extraditado aos Estados Unidos, está disposto a negociar com o serviço de vídeo em streaming Netflix e a rede americana em espanhol Univisión uma série sobre sua vida, informou nesta quinta-feira (26) um de seus advogados.
Segundo o representante legal, se Guzmán as empresas não concordarem com a necessidade de autorização, ele poderá processá-las em tribunais americanos.
"O senhor [Guzmá] não morreu, não é um personagem de domínio público, ele está vivo, ele tem que autorizar (...) Poderíamos processá-los porque não têm autorização para uma série ou um filme", declarou à Rádio Formula Andrés Granados, um dos advogados do traficante.
Na terça-feira passada, o canal Univisión transmitiu no Youtube o trailer da série, mas com poucas pistas sobre a trama: só uma animação em preto e branco, com toques em vermelho, que evolui do líder da Revolução Mexicana, Emiliano Zapata, ao rosto pintado de sangue de Guzmán.
"Ele [Guzmán] já nos disse que se eles já têm o projeto, para não perdê-lo e não nos desgastarmos a princípio com uma ação, podemos negociar com eles, mas até agora não se aproximaram, [podemos] negociar um preço para dar-lhes autorização, caso usem seu nome", acrescentou o advogado.
Na negociação também seria revisto o conteúdo da série, pois poderia afetar a defesa do poderoso narcotraficante, que tem 25 dias para apelar do aval da chancelaria para a extradição de Guzmán aos Estados Unidos. Isso porque dois juízes emitiram uma opinião favorável ao tratado de extradição entre os países vizinhos.
Guzmán "é extraditável e aí podem tirar algo sobre a sua vida que, na verdade, pode afetá-lo em assuntos legais, na defesa", acrescentou Granados.
Guzmán é demandado por um tribunal do Texas por homicídios, narcotráfico, crime organizado, porte de armas e lavagem de dinheiro, enquanto na Califórnia é acusado de importar e distribuir cocaína.
Por anos, foi o narcotraficante mais procurado do mundo. Em 1994, foi capturado na Guatemala e entregue à justiça mexicana, mas em janeiro de 2001, fugiu de uma prisão de segurança máxima.
Em 2014, foi recapturado, mas em julho passado voltou a protagonizar uma fuga espetacular de outra prisão, através de um túnel quilométrico.
Em janeiro passado, voltou para a prisão e o governo mexicano, que inicialmente resistia a extraditá-lo, anunciou sua intenção de entregá-lo à justiça americana.
Fonte: G1

'Não dói o útero e sim a alma', diz menina vítima de estupro coletivo

A adolescente de 16 anos que foi vítima de um estupro coletivo em uma comunidade da Zona Oeste do Rio voltou a fazer um desabafo nas redes sociais. Diante de tantas mensagens de apoio e solidariedade, a jovem acrescentou a mensagem: "Todas podemos um dia passa e por isso .. Não, não doi o útero e sim a alma por existirem pessoas cruéis sendo impunes !! Obrigada ao apoio", disse a menina, que na manhã desta sexta (27) também aderiu à campanha na rede social pelo "fim da cultura do estupro".

Na noite desta quinta (26), ela já havia feito um agradecimento na internet. “Venho comunicar que roubaram meu telefone e obrigada pelo apoio de todos. Realmente pensei que seria julgada mal”. De acordo com relatos da vítima, 33 homens armados teriam participado do crime.
Lucas (à esquerda) e Raphael (à direita)
(Foto: Reprodução / TV Globo)
A polícia já pediu a prisão de quatro homens. Um deles é Lucas Perdomo Duarte Santos, de 20 anos, com quem a adolescente tinha um relacionamento, Marcelo Miranda da Cruz Correa, de 18 anos, Michel Brazil da Silva, de 20, e Raphael Assis Duarte Belo, de 41. Segundo a família da menina, o rapaz que a menina conheceu na escola e com o qual ela já havia tido um relacionamento, teria agido premeditadamente.
“Um deles é namorado dela, tinha sido namorado dela, que ela conheceu na escola. E isso foi uma vingança dele. Ele fez isso com ela e chamou mais 30 para fazer o mesmo. O pai dela nem aguenta falar que chora muito. Um ser humano que é capaz de fazer isso com uma menina de 16 anos só, cheia de sonho, né? E eles fazem isso. A família está assim, sem palavras”, lamentou.
A polícia pede que qualquer pessoa que tenha informações sobre um dos suspeitos de participação nesse crime entre em contato com o Dique-Denúncia através do telefone 2253-1177.
A família da adolescente disse que a família ainda se sentiu aliviada pela vida da garota ter sido poupada. “Esse agente comunitário que veio trazê-la [para casa] eu acho que ele foi uma pessoa que salvou a vida dela, porque eles iriam matá-la. Porque é isso que eles fazem, né. Não é normalmente a história que a gente conhece? Eles estupram e matam”, disse a parente da adolescente.
A polícia já identificou pelo menos quatro homens envolvidos no crime. A adolescente de 16 anos foi estuprada no sábado (21) numa comunidade da Zona Oeste. Em depoimento à polícia, ela disse que foi até a casa de um rapaz com quem se relacionava há três anos. Ela se lembra de estar a sós na casa dele e só se lembra que acordou no domingo, em uma outra casa, na mesma comunidade, com 33 homens armados com fuzis e pistolas. Ela destacou que estava dopada e nua.
A garota retornou para casa na terça-feira (24). “Ela chegou descalça, descabelada, com aspecto de que tinha se drogado muito e com uma roupa masculina toda rasgada. Provavelmente eles deixaram ela nua e ela vestiu aquilo pra vir em casa”, contou a parente. A família teria questionado a menina o que havia acontecido, mas ela não revelou nada.
Fonte: G1

Turista é morto em SP ao ser atingido por pedra enquanto dormia em carro

Um turista de 17 anos morreu enquanto dormia no banco de passageiros de um veículo que seguia pela Rodovia dos Imigrantes, na altura de Cubatão (SP). O carro do garoto, que seguia para o litoral de São Paulo para aproveitar o feriado, foi atingido por uma pedra, arremessada por assaltantes, que atingiu a cabeça do rapaz. Até o momento ninguém foi preso.
Reinaldo Lima de Souza Júnior tinha 17 anos
(Foto: Rodrigo Nardelli / G1)
Pedra atingiu garoto que estava dormindo dentro de carro (Foto: Rodrigo Nardelli / G1)
O crime aconteceu na noite desta quinta-feira (27). Reinaldo Lima de Souza Júnior morava com a mãe em São Paulo e vinha passar o feriado na casa da tia, em Santos. Ele estava no carro com outras três pessoas quando, por volta das 22h, cerca de 10 criminosos começaram a arremessar pedras e galhos para bloquear a rodovia.
Júnior estava no banco dos passageiros do carro quando uma das pedras atingiu a cabeça dele, próximo ao km 59 da pista de descida da rodovia dos Imigrantes. Reinaldo chegou a ser levado para o pronto-socorro pela Polícia Rodoviária, mas chegou morto no local.
O impacto da pedra foi tão forte que o banco de passageiros quebrou e atingiu uma mulher que estava sentada logo atrás de Júnior. Ela teve ferimentos no rosto e passou a madrugada em observação no pronto-socorro. Além do carro onde estava a vítima, pelo menos outros cinco veículos foram atingidos por pedras e galhos arremessados por criminosos.
Os ataques aconteceram em um trecho que recebeu iluminação e onde foram construídos muros para evitar a ação dos assaltantes. Os ataques aconteceram no meio de duas bases da Polícia Rodoviária, que ficam a menos de 4 km uma da outra. A Polícia Rodoviária disse que no momento dos ataques havia policiamento no local. Os policiais, junto com funcionários da concessionária Ecovias, recolheram pedras e galhos que os criminosos deixaram na rodovia.
Pedra de mais de 5 quilos ficou dentro do carro atingido na Imigrantes (Foto: Rodrigo Nardelli / G1)
Fonte: G1

Jovem de 16 anos é estuprada por 30 homens e vídeo é divulgado no Twitter

A jovem de 16 anos que foi violentada por, pelo menos, 30 homens, em uma comunidade da Zona Oeste do Rio de Janeiro, deu detalhes sobre as agressões que sofreu em depoimento à Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI), ao qual a revista 'Veja' teve acesso.
A adolescente teria ido até a casa de um rapaz com quem se relacionava há três anos, no último sábado (21). Ela se lembra de estar a sós na casa dele e só se lembra que acordou no domingo (22), em uma outra casa, na mesma comunidade, com 33 homens armados com fuzis e pistolas. Ela conta no depoimento ao qual a "Veja" teve acesso, que estava dopada e nua.
A jovem conta ainda que foi para casa de táxi, após o ocorrido. Ela admitiu que faz uso de drogas, mas afirmou que não utilizou nenhum entorpecente no sábado (21).
Na terça (24), ela descobriu que imagens suas, sem roupas e desacordada, circulava na internet. A jovem contou ainda que voltou à comunidade para buscar o celular, que fora roubado.
Ela passou por exames de corpo de delito no Instituto Médico-Legal nesta quinta (26) e foi levada para o Hospital Souza Aguiar, no Centro, onde passou por exames e tomou um coquetel de medicamentos para evitar a contaminação por doenças sexualmente transmissíveis.

'Vídeo é chocante', diz avó
Segundo a avó da adolescente, ela teria sofrido um apagão durante os abusos. “O vídeo é chocante, eu assisti. Ela está completamente desligada", diz a avó. "Ela tem umas coleguinhas lá, mas nessa hora nenhuma apareceu”, disse a avó da adolescente em entrevista à rádio CBN, após saber que a neta pode ter sido violentada por cerca de 30 homens. De acordo com a avó, a garota foi localizada por um agente comunitário e levada para casa.
De acordo com a avó da menina, ela costuma ir para comunidades desde os 13 anos e, às vezes, passa alguns dias sem dar notícias. Ainda segundo a avó, a garota é usuária de drogas há cerca de quatro anos. No entanto, segundo ela, nunca recebeu notícias de que a neta tenha sido vítima de outros abusos. A jovem é mãe de um menino de 3 anos.
A Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI) informou que ela já prestou depoimento sobre o crime. Dois homens que postaram imagens da adolescente nua e desacordada em uma cama foram identificados, mas não tiveram os nomes divulgados para não atrapalhar as investigações. Um suspeito de praticar o crime também já foi identificado pela Polícia Civil.
O Delegado Alessandro Thies, responsável pelas investigações, pede ao cidadão que tenha qualquer informação que possa auxiliar na identificação dos autores que entre em contato através do endereço de e-mail: alessandrothiers@pcivil.rj.gov.br.
Os policiais também estão investigando alguns dos comentários postados sobre a situação da jovem.
Jovem postou foto da vítima e ironizou o suposto estupro (Foto: Reprodução)

MP apura
Uma pessoa foi ao Ministério Público do RJ e fez uma denúncia anônima à ouvidoria. Ela levou o vídeo e fez prints das redes sociais que relatam o ocorrido. Além disso, até o momento, cerca de 800 comunicações chegaram à ouvidoria.
O material foi encaminhado à 23ª Promotoria de Investigação Penal do MPRJ, porque esta promotoria que trabalha junto à Delegacia Anti-Sequestro (DAS). O MPRJ informou que está investigando o caso da jovem que aparece desacordada em um vídeo após supostamente ter sido estuprada.
O Ministério Público pediu ainda que a partir de agora só sejam encaminhadas à ouvidoria denúncias que acrescentem novas informações à investigação, tais como identificação de envolvidos, endereços ou novas provas do fato.
O MP também aproveitou para alertar sobre as consequências de se compartilhar vídeos ou fotos íntimas de pessoas. A conduta é ainda mais grave em se tratando de um evento criminoso. A divulgação dessas imagens configura crime previsto no Código Penal Brasileiro.
A Comissão de Direitos Humanos da Câmara Municipal do Rio de Janeiro (CDDH) divulgou nota sobre o assunto e afirmou que exige rapidez na apuração, identificação dos responsáveis e punição dos envolvidos no crime. “Trata-se de um ato de barbárie e covardia”, afirmou o vereador Jefferson Moura, presidente da comissão.
A OAB-RJ, por intermédio da Comissão Permanente OAB Mulher, também divulgou uma nota de repúdio ao estupro coletivo cometido contra a adolescente. A nota afirma que os criminosos perpetuaram a humilhação da vítima a expondo nas redes sociais.
“Os atos repulsivos demonstram, lamentavelmente, a cultura machista que ainda existe, em pleno Século 21. Importante ressaltar que cada frase machista, cada piada sexista, cada propaganda que torna a mulher um objeto sexual devem ser combatidas diariamente, sob o risco de se tornarem potenciais incentivadoras de comportamentos perversos. E, igualmente, lembrar que, se esse crime chegou ao conhecimento público, tantos outros permanecem ocultos, sem repercussão. Precisamos lutar contra a violência em casa lar, em cada comunidade, em cada bairro”, afirmou a nota da OAB.
Fonte: G1

22 maio 2016

Não acredite

Não acredite em algo simplesmente porque ouviu. Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito. Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos. Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade. Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração. Mas depois de muita análise e observação, se você vê que algo concorda com a razão, e que conduz ao bem e beneficio de todos, aceite-o e viva-o.
Buda

21 maio 2016

'Superbácterias matarão uma pessoa a cada 3 segundos em 2050'

Superbactérias irão matar uma pessoa a cada três segundos em 2050 se medidas não forem tomadas imediatamente, de acordo com o relatório encomendado pelo governo britânico e divulgado nesta quinta-feira.
O estudo, encomendado pelo governo britânico e liderado pelo economista Jim O'Neill, criador do termo Bric, sugere um plano que requer bilhões de dólares de investimento para impedir que a medicina "seja levada de volta à idade das trevas".
Também defende uma revolução na forma como os antibióticos são usados e uma grande campanha para educar as pessoas.
O relatório foi recebido sem consenso - houve elogios, mas críticos disseram que ele é "insuficiente".
A luta contra infecções que são resistentes a antibióticos já foi descrita como "risco tão grande quanto o terrorismo" por autoridades britânicas.
O problema é que não estão sendo desenvolvidos novos medicamentos - e os que existem estão sendo desperdiçados.
Desde o início do estudo Review on Antimicrobial Resistance, em 2014, mais de um milhão de pessoas morreram devido a este tipo de infecção.
E médicos também descobriram bactérias que resistem ao antibiótico usado como último recurso, a colistina, o que levou a um alerta sobre o risco de uma era "pós-antibiótico".
A publicação diz que a situação deve piorar e prevê um aumento gradual de mortes causadas por infecções resistentes que chegará, em 2050, ao nível de 10 milhões de pessoas mortas por ano.
E os custos que a resistência a antibióticos representa chegarão a US$ 100 trilhões na metade do século.

A publicação recomenda:
- uma campanha de conscientização global e urgente, já que a maioria das pessoas não sabem deste problema;
- Estabelecer um Fundo de Inovação Global de US$ 2 bilhões para pesquisa em estágio inicial;
- Melhorar o acesso a água limpa, saneamento e hospitais mais limpos para prevenir a propagação de infecções;
- Reduzir o uso desnecessário de antibiótico na agricultura, incluindo uma proibição dos "muito arriscados" para a saúde humana;
- Melhorar a vigilância do crescimento da resistência a antibióticos;
- Pagar US$ 1 bilhão a empresas por cada antibiótico descoberto;
- Dar incentivos financeiros para desenvolver novos testes para impedir que antibióticos sejam receitados quando eles não funcionarão;
- Promover o uso de vacinas e alternativas a antibióticos.

A publicação diz que o pagamento por essas ações poderia ser feito com uma pequena parte do atual orçamento para saúde dos países ou por meio de impostos extras para farmacêuticas que não investirem em pesquisa de antibióticos.
"Precisamos informar as pessoas de formas diferentes, por todo o mundo, por que é crucial parar de tratar nossos antibióticos como se fossem balas ou doces", disse Jim O'Neill.
"Se não resolvermos o problema, estaremos nos dirigindo à idade das trevas, muitas pessoas irão morrer."
Superbactérias são ameaça global, segundo estudo  (Foto: CDC)
Sofrimento
Espera-se que as medidas impeçam que mais pessoas passem pela mesma experiência de Emily Morris, de Milton Keynes, na Inglaterra.
Ela tinha, com frequência, infecções urinárias que não respondiam a antibióticos e poderiam causar dano aos rins e até sua morte.
"A cada ardência e cada dor, fico arrasada pensando em quantos antibióticos terei que usar desta vez."
"Tive que batalhar para conviver com a resistência a antibióticos por cerca de oito anos na minha vida... há uma necessidade clara de novos antibióticos."
Mas encontrar uma forma de encorajar a indústria farmacêutica a produzir novos antibióticos é um problema antigo. Nenhum novo tipo de antibiótico foi descoberto desde os anos 1980.
Um novo antibiótico seria guardado para uso em emergências, o que significa que uma empresa nunca conseguiria bancar, com as vendas, o custo de pesquisa e desenvolvimento.
John Rex, da unidade de antibióticos da AstraZeneca, disse que uma nova forma de pagar pelos medicamentos, como propostas no relatório (que prevê incentivos a farmacêuticas), são necessárias.
"Esses modelos deveria reconhecer os antibióticos como o equivalente, em saúde, ao extintor de incêndio. Ele deve estar sempre na parede para salvar vidas, tem grande valor, mesmo sendo pouco usado."
Emily Morris sofre frequentemente com infecção resistente a antibióticos (Foto: BBC)
O'Neill também criticou a prática de agricultura e pecuária que usa antibióticos para incentivar o crescimento de animais em vez de tratar sua infecção.
Nos EUA, 70% dos antibióticos são usados em animais.
Essa prática pode espalhar a resistência de bactérias a antibióticos para infecções em humanos, como aconteceu com a resistência à colistina registrada no ano passado.
Ele também criticou a falta de testes para infecções, o que faz com que médicos receitem antibióticos para pacientes com infecções virais - ou seja, que não reagem a antibióticos.
"Acho incrível que médicos tenham que prescrever antibióticos baseando-se apenas em um exame clínico dos sintomas dos pacientes, assim quando faziam nos anos 1950", diz O'Neill.
Õrgãos como a Organização Mundial da Saúde e instituições de caridade elogiaram o relatório.
O primeiro-ministro italiano Mario Monti disse que as descobertas "certamente merecem a atenção urgente de líderes mundiais".

Insuficiente
Mas Grania Brigden, do grupo Médicos Sem Fronteiras, disse que "o relatório é um passo importante para discutir esta falha de mercado, mas não vai longe o suficiente."
"O relatório propõe novas formas de financiamento para superar as falhas da pesquisa e desenvolvimento farmacêutico, mas as propostas não necessariamente garantem acesso a ferramentas já existentes ou novos produtos que estejam surgindo."
"Em vez disso, em alguns casos, a solução do relatório é subsidiar preços mais altos em vez de tentar superá-los", afirmou.
Fonte: BBC Brasil e G1

História em quadrinhos de 1,6 km tenta bater recorde mundial na França

Alunos de escolas de desenho da França e Espanha criaram neste sábado (21) uma história em quadrinhos de 1,6 km de comprimento durante o 11º Salão dos Quadrinhos de Lyon, França.
Para os organizadores, eles bateram um recorde mundial. A maior marca anterior era de 1,2 km, estabelecido em Nova York, em 2014. "Criamos uma historinha de 1.625 metros exatos", anunciou o diretor do festival, Mathieu Diez.
Os estudantes das escolas Emile-Cohl, de Lyon, e Escuela Joso, de Barcelona, realizaram a façanha em um túnel de Lyon.
A longa tirinha, concebida pelo desenhista francês Jibé, narra as aventuras de uma jovem de 16 anos, "Léa", que viaja através do tempo graças a uma caneta mágica, da era glacial até o ano 10 mil.
O recorde foi filmado e será certificado pelo livro "Guinness" em até quatro meses, informaram representantes do evento de Lyon.
Alunos franceses e espanhóis criaram uma história em quadrinhos de 1,6 km de comprimento para tentar bater o recorde mundial, durante o 11º Salão dos Quadrinhos de Lyon, França. (Foto: Jean-Philippe Ksiazek/France Presse)
Alunos franceses e espanhóis criaram uma história em quadrinhos de 1,6 km de comprimento para tentar bater o recorde mundial, durante o 11º Salão dos Quadrinhos de Lyon, França. (Foto: Jean-Philippe Ksiazek/France Presse)
Fonte: G1

Conheça Rodrigo Augusto de Pádua, o homem que tentou matar Ana Hickmann

O desempregado juiz-forano Rodrigo Augusto de Pádua, de 30 anos, foi identificado pelo irmão que mora em Belo Horizonte, Helisson Augusto Pádua, como sendo o homem suspeito de ter invadido o quarto da apresentadora Ana Hickmann, no 9º andar do hotel Caesar Business, no Belvedere, Região Centro-Sul de BH. Ele foi morto pelo cunhado da comunicadora, que após entrar em luta corporal com o criminoso, teve sua esposa atingida por dois tiros. Ela passa bem após uma cirurgia.
Alexandre Corrêa, marido de Ana Hickmann, viajou na tarde deste sábado, 21, às pressas para Belo Horizonte, Minas Gerais, após sua mulher sofrer a tentativa de assassinato.
Nas redes sociais, Rodrigo mostrava que era um fã extremamente obcecado pela comunicadora. Ele tinha perfis no Twitter e no Instagram, onde só publicava imagens sobre a vida da comunicadora, fazendo dedicatórias de amor para ela.
Em entrevista ao 'Brasil Urgente', da TV Record, o irmão do atirador disse que ele era um rapaz muito calmo, que pouco saia de casa e que não tinha arma ou antecedentes criminais "Ele era um rapaz normal. Só agora a gente descobriu que ele mandava mensagens para ela. Ele vendeu tudo recentemente para falar que ia vir conhecer Belo Horizonte", disse o irmão do atirador. Rodrigo de Pádua se hospedou no mesmo hotel da apresentadora. Quando abordou o cunhado de Ana, ele disse ser amante da loira.
Em uma rede social, Rodrigo chegou a publicar uma foto de seu próprio pênis e enviou para apresentadora. Após o crime, o Instagram apagou a imagem que vai contra as regras da rede social.  Várias outras fotos com mensagens e dedicatórias foram publicadas nas redes sociais. Na internet, o atirador dizia que o seu amor era correspondido. A assessoria de Ana Hickmann disse na medida do possível ela está bem, esperando o marido chegar de São Paulo. Por volta das 19h30, a TV Record confirmou que Ana já não estava mais no local. Ela deve prestar depoimentos à Polícia Militar de Minas Gerais.




Reprodução/Twitter
Pelo Twitter, suspeito fazia postagens e marcava o perfil da apresentadora (foto: Reprodução/Twitter)

Reprodução/Twitter
Suspeito mantinha vários perfis no Twitter (foto: Reprodução/Twitter)

‘OK’ - O comentário de duas letras no Facebook que pode levar tailandesa à prisão por traição

Uma faxineira tailandesa foi acusada de insulto à monarquia do país e pode ser condenada a 15 anos de prisão. E a única coisa que ela fez foi postar a palavra "ok" em uma página do Facebook.
Patnaree Chankij, viúva de 40 anos que mora com dois de seus filhos, afirma que, na verdade, ela está sendo punida pelo fato de seu outro filho ser um ativista de oposição ao governo.
Ela mora nos arredores de Bangcoc, trabalha como diarista em apartamentos e escritórios e também lava e passa roupas.
Na casa dela é possível ver nas paredes retratos do rei Bhumibol Adulyadej, e Chankij se considera uma cidadã leal à monarquia do país. Ela afirma que nunca disse nada negativo a respeito da família real.
Mas no começo do mês ela foi detida pela polícia e acusada de insulto à monarquia – uma das acusações mais graves no código penal tailandês.
A pena pode variar entre três e 15 anos de prisão em cada acusação. E acusações como essa cresceram consideravelmente no país depois do golpe militar ocorrido há dois anos.
Desde então, mais de 60 pessoas foram acusadas de insulto à monarquia. A maioria dos casos agora é julgada em tribunais militares, o que restringe o direito à defesa.
Geralmente, as audiências são fechadas e os jornalistas só conseguem informações semanas depois, quando conseguem. As sentenças são severas. Em 2015, uma mulher, mãe de dois filhos, foi sentenciada a 56 anos de prisão também devido a comentários no Facebook.
Depois que ela se declarou culpada, a sentença foi diminuída pela metade.

Comentários
De acordo com o advogado de Patnaree Chankij, a única prova que a polícia apresentou para a acusação é uma troca de comentários entre a faxineira e um ativista político.
Na conversa, via Facebook, ela respondeu comentários que, segundo a polícia, são difamatórios. E a resposta foi apenas uma palavra em tailandês: "ja", que pode ser traduzido como "entendi" ou "ok".
A polícia afirma que ela deveria ter repreendido os comentários difamatórios.
Chankij, por sua vez, acha que seu comentário no Facebook foi apenas uma desculpa usada pelas autoridades: ela acredita que tenha sido presa por causa do filho ativista, Sirawith Seritiwat.
Ele estuda ciências políticas na Universidade de Thammasat e, nos últimos dois anos, se transformou em um dos nomes mais conhecidos da oposição estudantil ao regime militar.
Logo depois do golpe, ele se somou aos protestos contra o governo como integrante de dois grupos, o Cidadãos Resistentes e o Centro Estudantil Tailandês para a Democracia.
Esses grupos usavam como símbolo a saudação com o braço erguido e os três dedos, parecido ao gesto de um dos personagens da série de livros e filmes Jogos Vorazes. Os estudantes também liam o livro 1984, de George Orwell, em público.
Eles já organizaram vários protestos em Bangcoc e também um contra o polêmico parque temático, construído pelo Exército, cujo tema é a família real. Há acusações de corrupção envolvendo os contratos para construção do parque.
Os dois grupos se transformaram em um, agora chamado Movimento Nova Democracia que, mesmo com protestos pequenos, desafia abertamente os militares.
O movimento dos "camisas vermelhas", que apoiava o governo que foi derrubado, não se manifestou mais.
Patnaree Chankij, viúva de 40 anos que mora com dois de seus filhos, afirma que está sendo punida pelo fato de seu outro filho ser um ativista (Foto: Daily News/Reuters)
Patnaree Chankij, de 40 anos, afirma que está sendo punida pelo filho ser um ativista (Foto: Daily News/Reuters)
Nova Constituição
Os militares do governo tailandês detiveram vários estudantes ativistas e os colocaram no que chamam de "ajuste de atitude", um programa no qual eles são pressionados a mudar suas opiniões.
Recentemente, o Exército endureceu sua política e começou a fazer acusações criminais contra alguns ativistas. O filho de Patnaree Chankij, Sirawith, foi detido várias vezes e acusado duas, mas ainda não foi julgado.
Agora, o governo militar se prepara para introduzir uma nova Constituição, que vai garantir a dominância militar na polícia por muitos outros anos.
Há eleições previstas para 2017, mas as novas leis transferem o poder dos governos eleitos para um Senado indicado pelos militares. E também para os tribunais superiores, de perfil conservador.
No dia 7 de agosto, deve ocorrer um referendo sobre a nova Constituição, mas os militares proibiram qualquer campanha pelo "não".
Os que tentam influenciar a opinião pública são ameaçados com sentenças de dez anos de prisão.
Fonte: BBC Brasil e G1

Mulher com máscara de Chewbacca que tem acesso de riso vira hit na web

Uma americana do Texas fez sucesso no Facebook ao gravar um vídeo ao vivo em que ela tem um acesso de riso usando uma máscara de Chewbacca, personagem de "Star Wars".
Candice Payne gravou o vídeo no banco do motorista de seu carro, após ter feito compras.
Ela mostra a máscara, que faz barulhos parecidos com o que o personagem fazia. Diz que seus filhos não vão gostar dela, mas que comprou para ela própria.
Ela ri durante cerca de um minuto. Quanto mais ela ri, mais a máscara faz barulho, e vice-versa. Assista.
O vídeo já teve mais de 41 milhões de visualizações.
Mulher com máscara de Chewbacca que tem acesso de riso vira hit na web (Foto: Candice Payne/Facebook/Reprodução)
Fonte: G1

Leões são sacrificados no Chile após homem nu invadir jaula de zoológico

Dois leões do zoológico de Santiago, no Chile, foram sacrificados neste sábado (21) para deter o ataque a um homem que tentou se suicidar entrando na jaula dos animais, informaram responsáveis pelo local.
Foram ativados os protocolos de segurança, que preveem que "quando está em risco a vida de uma pessoa, há que sacrificar a dos animais", disse a diretora do Zoológico Nacional do Chile, Alejandra Montalva, ao canal TVN.
"O suicida forçou sua entrada no recinto dos leões, tirou a roupa e começou a instigar os nossos animais", provocando a ação das autoridades, que tiveram que sacrificar os leões.
Montalva explicou que, nesses casos, os analgésicos são insuficientes para frear o ataque a tempo.
O homem de entre 20 e 30 anos foi levado a um centro de saúde com ferimentos graves e em risco de vida, em meio à comoção do público do zoológico, que neste sábado foi intensificado por um feriado local.
"Estamos muito consternados porque os animais do zoológico são parte da nossa família, são leões que estavam conosco há mais de 20 anos", acrescentou Montalva.
Os leões sacrificados eram um macho e uma fêmea de origem africana.
Homem nu invadiu jaula de leões no Chile (Foto: Reprodução / Twiiter / Patta Alrringo)
Fonte: G1

10 maio 2016

Menino que doou cabelo para crianças é diagnosticado com câncer

Um menino de sete anos que deixou seu cabelo crescer durante dois anos para doar os fios para crianças com câncer foi agora diagnosticado com uma forma agressiva da doença. A família de Vinny Desautels, que mora em Roseville, na Califórnia, lançou uma campanha para arrecadar dinheiro para seu tratamento.
Vinny Desautels deixou o cabelo crescer durante dois anos antes de doar os fios para confecção de perucas para pacientes com câncer (Foto: Reprodução/GoFundMe)
Vinny Desautels deixou o cabelo crescer durante dois anos antes de doar os fios para confecção de perucas para pacientes com câncer (Foto: Reprodução/GoFundMe)
Segundo o pai, Jason, a ideia de deixar o cabelo crescer partiu do próprio Vinny. À emissora de TV KTLA, ele contou que um dia o menino, então com cinco anos, disse que queria “ajudar as pessoas para que elas não precisem ir aos médicos para lutar contra o câncer”.
A mãe de Vinny, Amanda, que está grávida de seis meses, conta ainda que ele não se importava com provocações ou mesmo quando era confundido com uma menina. Após dois anos, foi ela quem cortou mais de 30 centímetros de cabelo do filho, e o material foi doado para a confecção de perucas para pacientes que perderam os cabelos por causa dos tratamentos de radioterapia e quimioterapia.
Vinny Desautels no hospital, ao lado dos pais Amanda e Jason (Foto: Reprodução/GoFundMe)
Há alguns dias, porém, o menino se queixou de dores no quadril e de uma irritação em um dos olhos. Os médicos então descobriram um crescimento significativo em seu osso ilíaco e nos ossos na região que fica ao redor de seu olho direito e atrás do nariz e da bochecha direita.
Testes ainda estão sendo feitos para identificar o tipo de câncer de Vinny, mas os médicos afirmam que ele está em um estágio 4 da doença e que ela está atacando agressivamente seu organismo.
Os avós dele, Sue e Ron Desautels, criaram no dia 1º de maio um perfil no site GoFundMe para tentar arrecadar US$ 100 mil para seu tratamento. Em oito dias, quase metade do valor já foi atingido.
Fonte: G1

O deserto colorido e mortal onde cientistas procuram os extremos da vida

É o lugar mais quente do planeta, e isso não se sente apenas no ambiente externo.
Também é o mais quente no solo. Como é uma depressão, o magma está mais próximo da superfície, o que faz com que a água da chuva e do mar (que infiltra na terra) se esquente até estourar em gêiseres de 90ºC de temperatura, levantando nuvens amarelas de enxofre e impregnando o ar com sais de cloreto.
Sistema hidrotermal na depressão de Danakil, na África. Depósitos amarelos são uma variedade de sulfatos, e as áreas vermelhas são óxidos de ferro  (Foto: Felipe Gomez/Europlanet 202 0RI/ BBC)
Sistema hidrotermal na depressão de Danakil, na África. Depósitos amarelos são uma variedade de sulfatos, e as áreas vermelhas são óxidos de ferro (Foto: Felipe Gomez/Europlanet 202 0RI/ BBC)
A depressão Danakil, na Etiópia, é um dos locais mais inóspitos do mundo.
O rio Awash chega até lá para morrer sem alcançar o Oceano Índico. Não há plantas nem animais nem vida - será?
Isso foi o que o astrobiólogo Felipe Gómez foi verificar. Para ele, a viagem é a realização de um "sonho de criança".
"Sempre quis me relacionar com as ciências espaciais. O que não podia imaginar era poder desenvolver isso. Sempre fui apaixonado pelo universo. Além disso, a vida, o processo químico que conhecemos como vida, me intrigava muito, e o fato de os cientistas não entrarem em acordo sobre o que ela é".
Gómez conciliou as duas coisas e se envolveu com o Centro de Astrobiologia da Espanha, em colaboração com o Instituto de Astrobiologia da Nasa (agência espacial americana).
"Envolvi-me em projetos espaciais, estudando a habitabilidade, e acabei em pesquisas sobre a vida em ambientes extremos", afirma Gómez, sobre como foi parar nesse ponto da África em que o movimento das placas tectônicas está causando uma ardente depressão.
Região possui estruturais naturais em forma de cogumelos (Foto: Felipe Gomez/Europlanet 202 0RI/ BBC)

Vida no limite
Gómez queria "estudar a vida desde o ponto de vista dos limites: em qual momento aparece e quanto suporta".
"Isso me levou ao Atacama, à Antártica, ao Ártico e agora à Etiópia, que são tão extremos que parecem outros planetas. O passo seguinte é verificar se realmente existe a possibilidade de vida fora da Terra. Podemos encontrá-la em Marte, por exemplo? E se encontrarmos, vamos reconhecê-la?", disse o pesquisador à BBC Mundo, o serviço em espanhol da BBC.
Ou seja: apesar de ter os pés na Terra - em brasas ou congelada -, Gómez vive com a mente em outro mundo. "Certo, certo", diz ele, aos risos.
O astrobiólogo e equipe se hospedaram em um povoado da etnia afar, último ponto habitado na região, muito próximo à fronteira com a Eritreia.
"É uma região completamente desabitada, mas é preciso ir com seguranças, porque as fronteiras estão próximas e a situação é complicada."
Até nesse deserto, a ameaça humana está presente. E não é o único risco que a equipe tem que enfrentar.
Vapor de enxofre e cloro cobre os depósitos de sal ricos em enxofre (Foto: Felipe Gomez/Europlanet 202 0RI/ BBC)
"Não se pode respirar as emissões de enxofre, então tínhamos que sair quando o vento trazia essa substância."
Vapor de enxofre e cloro cobre os depósitos de sal ricos em enxofre
O trabalho se deu em uma condição "multiextrema": temperaturas elevadas, pH muito ácido, alta carga de metais. "Realmente muito interessante, não?", brinca Gómez.
O resultado final do trabalho ainda está por vir, mas os primeiros achados convenceram Gómez de que há vida por lá.
"Onde há água, há vida, quaisquer sejam as condições ambientais."
Amarelo do enxofre, vermelho do ferro e verde do cobre embelezam a paisagem, mas são sinais de vida? (Foto: Felipe Gomez/Europlanet 202 0RI/ BBC)
Fonte: BBC Brasil e G1

Moradores de vilarejo na Indonésia confundem boneca inflável com anjo

Os habitantes de um vilarejo remoto da Indonésia encontraram uma boneca inflável em uma praia e acreditaram que o objeto era um 'anjo' que caiu do céu, informou a polícia local.
Moradores acreditaram que o objeto era um 'anjo' que caiu do céu (Foto: Indonesian Police/AFP)
As notícias sobre a chegada do 'anjo' e o temor de que provocasse distúrbios levaram a polícia a investigar o caso. Mas quando os detetives chegaram ao vilarejo, perceberam que a situação não tinha qualquer relação com uma intervenção divina.
"Quando nossos agentes chegaram, eles viram que o 'anjo caído' era na verdade uma boneca, um brinquedo sexual", disse à AFP o comandante da polícia local, Heru Pramukarno.
Mulher vestiu a boneca com um véu e a deixou sentada em uma cadeira (Foto: Indonesian Police/AFP)
Pardin, um habitante do vilarejo que como muitos indonésios não tem sobrenome, encontrou a boneca no mês passado quando pescava nas ilhas Banggai, na região central da Indonésia.
A descoberta aconteceu um dia depois de um eclipse do sol na região, um fenômeno considerado espiritual na Indonésia, o país muçulmano de maior população do mundo, o que levou os moradores a relacionar os dois eventos.
Pardin levou a boneca, que estava parcialmente inflada, ao vilarejo. Sua mãe vestiu o 'anjo', colocou um véu e deixou sentado em uma cadeira.
Objeto foi encontrado por pescadores em praia nas ilhas Banggai (Foto: Indonesian Police/AFP)
A polícia decidiu intervir porque temia que a presença do 'anjo' provocasse distúrbios.
"Ouvimos muitas histórias, como a que o 'anjo caído' estava chorando quando foi encontrado. Naquela região não existe internet, não sabem o que é um brinquedo sexual", disse Pramukarno.
Os policiais confiscaram a boneca e a levaram para a delegacia para evitar novos boatos.
Fonte: G1

Morte de Schumacher “É uma questão de horas”, diz médico

Michael Schumacher está muito próximo da morte. Pelo menos é o que diz um dos neurocirurgiões que operou o piloto alemão, que sofreu um gravíssimo acidente quando esquiava nos alpes franceses, em 29 de dezembro de 2013.
"Ele não pesa mais do que 45 quilos e apenas um milagre pode mantê-lo vivo. Resta esperar. É uma questão de horas", afirmou o médico, em entrevista ao site News Every Day.
Por ter batido a cabeça, o ex-campeão da Fórmula 1 entrou em coma e passou por diversas cirurgias. Schumacher ficou seis meses em coma e despertou em junho de 2014. Depois disso, o alemão foi levado para casa, pela família, em setembro do mesmo ano. Desde então, o O heptacampeão da F1  vem recebendo acompanhamento 24 horas por dia.
Fonte: Esporte ao Minuto

Suzane von Richthofen tem um novo amor

Condenada a 39 anos pela morte dos pais, Suzane von Richthofen voltou um dia antes do previsto para a Penitenciária de Tremembé, interior de São Paulo, após saída temporária para o Dia das Mães. A mudança de planos ocorreu depois que uma reportagem do Fantástico, da Rede Globo, veiculada no último dia 8, mostrou que ela não estava entre 21h e 8h no endereço que havia declarado à Justiça. No lugar em questão, localizado na cidade de Angatuba, há um comércio de tecidos e um pequeno conjunto de casas atrás da loja. Na noite do mesmo domingo, a polícia a encontrou em um sítio no município e levou Suzane de volta para a cadeia. Ela cumpre pena em regime semiaberto e, agora, pode perder o benefício da saída temporária (tem direito a cinco datas por ano) . Além disso, corre o risco de voltar para o regime fechado. Segundo a defesa de Suzane, houve um equívoco que será esclarecido nos próximos dias à Justiça.
"Ela não agiu de má fé", afirma o defensor público Ruy Freire. "Minha cliente estava a 3 quilômetros do local fornecido e houve um erro de cadastro do endereço."
© Fornecido por Abril Comunicações S.A. suzane von richthofen
Em uma das casas do endereço informado por Suzane à Justiça reside o genro do novo namorado de Richthofen. O homem que está se relacionando com Suzane tem 37 anos e mora em Itapeva, mas possui uma empresa de transportes e mudanças em Angatuba. Ele segue há doze anos a igreja evangélica e visita todo mês em Tremembé sua irmã, condenada a 18 anos e nove meses por um crime ocorrido em 2012.
Ele e Suzane começaram a se aproximar no segundo semestre do ano passado nos dias de visitas em Tremembé. O rapaz se divorciou em setembro de 2014 e Suzane terminou o relacionamento com Sandra Regina Ruiz Gomes, o Sandrão, com quem morou junto numa ala da cadeia destinada a casais, após a ex-parceira ser transferida para o regime semiaberto em março de 2015. Hoje, Sandrão cumpre pena no Centro de Ressocialização Feminina de São José dos Campos.
No dia 11 de março deste ano, após catorze anos presa, Suzane deixou pela primeira vez a penitenciária para a saída temporária de Páscoa com destino à casa do namorado, em Itapeva. Enquanto todas as detentas saíram por volta das 9h da manhã daquela data, Suzane foi a única a deixar o local às 15h35 usando um disfarce. Ela saiu com uma peruca e embarcou dentro de uma caminhonete cinza de um cunhado do namorado. No noite do domingo passado, Suzane estava no sítio que pertence a um parente de seu namorado. Procurados pela reportagem de VEJA SÃO PAULO, nenhum dos dois quis falar sobre o romance.
Fonte: MSN Notícias e Veja São Paulo

02 maio 2016

Câmera flagra águia levando gatinho para alimentar filhotes em ninho

Uma câmera que monitora um ninho de um casal de águias na região de Pittsburgh, no estado da Pensilvânia (EUA), registrou o momento em que uma das aves trouxe um gatinho para alimentar seus filhotes. A cena foi compartilhada no YouTube.
A "Audubon Society of Western Pennsylvania" foi criticada por vários usuários por compartilhar o vídeo, mas, em sua página no Facebook, a entidade destacou que a natureza "nem sempre é gentil ou bonita".
Câmera registrou águia alimentando filhotes com gatinho (Foto: Reprodução/YouTube/PixController)
Fonte: G1

Harry Potter: J.K. Rowling pede desculpas por morte de Remo Lupin

A autora J.K. Rowling se desculpou pela morte do personagem Remo Lupin na série "Harry Potter" em sua conta no Twitter, nesta segunda (2). Anúncio acontece no dia de aniversário da Batalha de Hogwarts, que teria acontecido no dia 2 de maio de 1998, retratada no último livro e filme "Harry Potter e as Relíquias da Morte".
"Mais uma vez, é o aniversário da Batalha de Hogwarts, então, como prometido, eu devo me desculpar por uma morte. Neste ano: Remo Lupin", disse.
Ela completou que não pensava em matar o personagem até o momento em que escreveu o quinto livro "A Ordem da Fênix".
"Arthur [pai de Rony Weasley] ficou vivo, então Lupin tinha que morrer. Sinto muito. Eu não gostei de fazer isso. A única vez que o meu editor me viu chorar foi sobre o destino de Teddy [filho de Lupin com a bruxa Ninfadora Tonks]", escreveu em tuíte na rede social.
Seguidores da escritora na rede social lamentaram também a morte de Lupin, dizendo que ele era o seu personagem preferido na série. Ela afirmou que "é o melhor tributo que ele poderia ter".
Remo Lupin, interpretado nos filmes pelo ator britânico David Thewlis, apareceu pela primeira vez no livro e filme "Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban". Ele era amigo dos pais do personagem principal, foi professor de Defesa Contra as Artes das Trevas, casado com a bruxa Ninfadora Tonks, que também morreu na Batalha de Hogwarts, e deixou um filho recém-nascido órfão, Teddy Lupin.
Há um ano, J.K. Rowling também lembrou a Batalha de Hogwarts em sua conta no Twiiter e lamentou ter matado o gêmeo Fred Weasley. "Hoje eu somente gostaria de dizer: eu sinto muito por Fred", lamentou.
Fonte: G1

'Justiceiro' ganhará série da Marvel e do Netflix com Jon Bernthal no papel

"O Justiceiro" vai ganhar uma série própria. A Marvel pediu um seriado após o personagem ter aparecido na segunda temporada de "Demolidor".
Jon Bernthal vai ser o protagonista da série, do Netflix. Steve Lightfoot ("Hannibal") será o principal produtor. A informação foi dada em primeira mão pelo site da revista americana "Entertainment Weekly".
Justiceiro, o vigilante que não toma "meias medidas" contra gângsters e bandidos, surgiu como a grande ameaça na segunda temporada de "Demolidor".
Bernthal (o Shane de "The walking dead") deu ao anti-herói o tormento psicológico e a força física bruta necessárias para que ele não se tornasse apenas um personagem cartunesco, como em suas aparições nos cinemas.
Fonte: G1

Menina de 12 anos acha amuleto da época dos faraós em Jerusalém

Uma menina israelense de 12 anos encontrou um amuleto egípcio da época dos faraós, que remonta há mais de 3.200 anos.
Menina de 12 anos achou amuleto da época dos faraós em Jerusalém (Foto: Adina Graham/Ir David Foundation - City of David/AP)
Neshama Spielman participava com sua família de um projeto no Monte do Templo, um lugar sagrado para judeus, cristãos e muçulmanos em Jerusalém.
Ela encontrou o objeto com o nome do faraó Tutmés III, também chamado de Tutmósis III.
O achado aconteceu perto das festividades da Páscoa judia, que celebra a libertação dos hebreus quando eram mantidos como escravos no Egito.
Spielman disse que "festejar a Páscoa neste ano vai ter um significado especial para ela".
Objeto com nome do faraó Tutmés III remonta há mais de 3.200 anos (Foto: Adina Graham/Ir David Foundation - City of David/AP)
Fonte: G1

Como as astronautas lidam com a menstruação no espaço?

O corpo humano passa por muitas mudanças no espaço: Os músculos se debilitam, o coração muda de forma e tamanho, há perda de densidade óssea… Mas há algo que permanece igual: a menstruação.
Independente da existência ou não de gravidade, o ciclo menstrual da mulher funciona da mesma forma – seja na Terra ou no espaço.
"Como o fluxo de sangue menstrual não é afetado pela ausência da gravidade, ele não flui de volta para o corpo", escreveu recentemente a ginecologista espacial Varsha Jain no site acadêmico The Conservation, do King’s College, de Londres.
Mas, a que se deve isso? Ela responde à BBC:
"O hormônio folículo estimulante, responsável por ativar o ciclo menstrual, não é afetado em viagens espaciais."
A pesquisadora, membro do Departamento de Obstetrícia e Ginecologia do Instituto Nacional para Pesquisa de Saúde do Reino Unido, conta que já foram feitos diversos estudos sobre o tema na Terra, baseados na simulação do ambiente espacial.
Jain afirma que pesquisas realizadas com animais enviados ao espaço obtiveram resultados similares.
Mas os cientistas ainda não conseguiram determinar o motivo pelo qual esse hormônio permanece inalterado enquanto o resto do corpo precisa se adaptar ao fato de estar flutuando.
O que se sabe é que o fato de não haver nenhuma mudança no ciclo menstrual nesse caso prova que ele não depende da gravidade.
Talvez porque, como sugere Jain, "o corpo sabe que precisa se livrar daquilo".
Mas, para a especialista, essas são boas notícias. "Quanto menos o corpo mudar no espaço, melhor."
Menstruação já foi considerada impedimento para mulheres serem astronautas (Foto: Nasa)
Empoderamento
No passado, a menstruação era vista como um impedimento para que mulheres fossem astronautas.
"Alguns argumentavam que a menstruação poderia afetar a habilidade da mulher", escreveu recentemente Adam Cole, jornalista científico da rede americana National Public Radio.
Nos anos 1940, foi provado que isso não estava certo. "Mas a ideia não morreu ali", acrescentou.
Outras teorias a respeito da menstruação no espaço falavam sobre os efeitos da microgravidade e como o sangue poderia subir pelas trompas de Falópio e chegar ao abdômen, causando dor e outros problemas de saúde.
"Mas, na realidade, ninguém fez experimentos para comprovar se isso era um problema, então não havia dados que sustentassem ou negassem esses temores", afirmou o jornalista.
"Até onde sabemos, e pelo que nos contam as astronautas, as mulheres que menstruaram no espaço garantem que nunca tiveram problemas por isso", esclareceu Jain.
Para a ginecologista, uma vez comprovado que o período menstrual não é um impedimento para ir ao espaço, o fato de ter de lidar com o fluxo de sangue em um ambiente sem gravidade pode ser uma situação que muitas mulheres astronautas preferem evitar.
"Para a sorte delas, hoje já existem formas de segurar a menstruação."
Não há um consenso sobre recomendar a suspensão completa da menstruação no período em que a astronauta estiver no espaço, mas Jain afirma que a maioria dos especialistas sugere que não há efeitos a longo prazo para a saúde da mulher caso ela opte por isso.
"Isso é importante, pois se trata de empoderar as mulheres", afirma a especialista.
"Se as astronautas podem escolher não menstruar durante períodos longos de tempo (enquanto estão no espaço), outras mulheres, com trabalhos específicos na Terra, poderiam fazer o mesmo."
Porém, o fato de que a menstruação não é afetada no espaço é uma questão que deve ser levada em conta para missões de longa duração, como uma viagem a Marte.
Independente de a mulher escolher menstruar ou não, a nave precisa ter um espaço adequado tanto para pílulas e produtos higiênicos caso elas optem por continuar menstruando.
Fonte: BBC Brasil e G1

Lâmpada misteriosa está acesa há 110 anos nos EUA

Uma lâmpada em uma central de bombeiros na Califórnia está acesa há 110 anos e ninguém sabe como ou por que ela ainda não parou de funcionar.
A lâmpada foi acesa em 1901 na cidade de Livermore, norte da Califórnia e foi apagada apenas por alguns cortes de energia e a mudança de prédio dos bombeiros em 1976.
A lâmpada famosa e misteriosa tem até um comitê formado em seu centenário. O presidente é o chefe de divisão dos bombeiros aposentado, Lynn Owens. 'Ninguém sabe como é possível uma lâmpada funcionar por tanto tempo', disse Owens.
Ele acrescenta que a corrente baixa que alimenta a lâmpada de 60 watts pode ter prolongado sua vida, mas ninguém descobriu porque ela continua brilhando. E Owens afirma que cientistas de todos os Estados Unidos já foram ver a lâmpada. A lâmpada entrou para o livro Guinness World Record e já virou atração turística de Livermore.
"A lâmpada foi criada por um inventor chamado Adolphe Chaillet, que foi convidado pelo governo do Estado de Ohio para fundar uma fábrica de lâmpadas no século dezenove. Ele aceitou o convite e criou uma lâmpada especial", um presente para os bombeiros, afirmou Steve Bunn, que faz parte do comitê do centenário.
Bunn disse que, no começo pensou que a lâmpada centenária era um objeto comum, mas depois descobriu que ela custou muito mais do que as outras e sua fabricação, à mão, deu muito mais trabalho.
E a lâmpada famosa já demonstra isto na aparência de seus filamentos. "A primeira coisa que fiz quando olhei para cima foi notar que o filamento escrevia a palavra 'no' (não, em inglês). Mas, então, olhei de outro jeito e vi que de fato ela dizia 'on', (ligada em inglês)", conta Steve Bunn. Os 110 anos da lâmpada dos bombeiros de Livermore são comemorados em junho.
Fonte: BBC Brasil e G1

Cientistas criaram por acidente uma bateria que dura a vida toda

Criar uma bateria que dure toda a vida parecia algo difícil, mas um grupo de pesquisadores americano conseguiu realizar o feito.
E fizeram isso por acidente.
Cientistas da Universidade da Califórnia, em Irvine, nos Estados Unidos, estavam procurando uma forma de substituir o lítio líquido das baterias por uma opção mais sólida e segura - as baterias de lítio são extremamente combustíveis e muito sensíveis à temperatura- quando acabaram criando esta bateria 400 vezes mais eficiente que as atuais.
Eles começaram a fazer testes com nanocabos de ouro recobertos com um gel de eletrólitos e descobriram que eram incrivelmente resistentes. A bateria podia continuar trabalhando de forma efetiva durante mais de 200 mil ciclos de carga.
Durante muito tempo, os cientistas fizeram testes com nanocabos para baterias.
Isso porque eles são milhares de vezes mais finos que o cabelo humano, altamente condutores e contam com uma superfície ampla para o armazenamento e transferência de elétrons.
O problema é que esses filamentos são extremamente frágeis e não aguentavam a pressão de carga e descarga.
Mas um dia a estudante de doutorado Mya Le Thai decidiu colocar nestes delicados fios uma capa de gel.
"Mya estava 'brincando' e cobriu tudo com uma fina capa de gel antes de começar o ciclo", explicou Reginald Penner, conselheiro do departamento de química da Universidade da Califórnia em Irvine.
"Descobriu que apenas usando este gel (de eletrólitos) podia submetê-los a ciclos (de carga e descarga) centenas de milhares de vezes sem que perdessem sua capacidade", diz.
Ela fez isso durante três meses.
Estudante de doutorado Mya Le Thai estava "brincando" com nanocabos quando decidiu usar capa de gel (Foto: Steve Zylius/UCI)
O problema do ouro
"Isso é incrível porque essas bateria tipicamente morrem depois de 5 mil ou 6 mil ciclos, 7 mil no máximo", acrescenta.
Penner contou à revista Popular Science que, quando começaram a testar os dispositivos, se deram conta de que as baterias não iam morrer.
Os especialistas acreditam que a efetividade da bateria de Irvine se deve ao fato de a substância viscosa plastificar o óxido metálico na bateria e lhe dar flexibilidade, o que evita rachaduras.
"O eletrodo revestido mantém sua forma muito melhor, o que faz com que seja uma opção mais confiável", explicou Thai.
"Esta pesquisa prova que as baterias com nanocabos de ouro podem ter uma vida longa e que são uma realidade", acrescentou.
Segundo o estudo, após submeter a bateria a 200 mil ciclos, ela só perdeu 5% de sua carga máxima.
Mas ainda resta um longo caminho antes que estas baterias comecem a ser vistas em nossos celulares.
Por mais finos que sejam esses filamentos, eles são de ouro, o que faz com que as baterias sejam muito caras para fabricação em massa.
Para solucionar este problema, Penner sugeriu a Popular Science a possibilidade de substituir o ouro por uma metal mais comum, como o níquel.
Fonte: BBC Brasil e G1

Fuinha causa curto circuito em acelerador de partículas do Cern

Uma fuinha é apontada como a responsável pelo desligamento do Grande Colisor de Hádrons (LHC, na sigla em inglês), o gigantesco acelerador de partículas de US$ 7 bilhões que funciona num túnel subterrâneo na fronteira da França com a Suíça. O animal não sobreviveu à descarga elétrica.
De acordo com os documentos internos do Centro Europeu de Pesquisas Nucleares (Cern, na sigla em francês), que administra o LHC, o mamífero mordeu o cabo de um transformador de 66 mil volts, causando “perturbação elétrica grave”, por volta das 5h30 (00h30 no horário de Brasília).
Em entrevista à "New Scientist", o porta-voz do Cern, Arnaud Marsollier, disse que levará alguns dias para que o LHC volte a funcionar, mas que o equipamento está bem e será facilmente consertado.  
Criado em 2008, o acelerador tem 27 km de extensão e é considerado o maior experimento científico do mundo. Sua função consiste em colidir partículas no nível mais alto de energia já tentado, recriando as condições presentes no momento do Big Bang, que teria marcado o nascimento do universo, 13,7 bilhões de anos atrás.
Foto ilustrativa de um animal parecido com o que teria mordido o cabo do LHC (Foto: Reprodução)
Foto ilustrativa de um animal parecido com o que teria mordido o cabo do LHC (Foto: Reprodução)
Fonte: G1
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...